Após cinco meses no limbo, inquérito sobre Alckmin chega à promotoria eleitoral

Na quarta (5), o Ministério Público paulista ajuizou uma ação de improbidade administrativa contra o ex-governador. O processo, da esfera civil, decorre também da delação da Odebrecht

Geraldo Alckmin (PSDB)Geraldo Alckmin (PSDB) - Foto: Divulgação

O inquérito que apura suposto caixa dois a Geraldo Alckmin (PSDB) delatado pela Odebrecht chegou nesta quinta-feira (6) à promotoria eleitoral da capital paulista. Os autos passaram cinco meses em um limbo jurídico.

Quando o tucano renunciou ao governo de São Paulo para disputar a Presidência, em abril, perdeu o foro especial. Desde então, o processo estava em trânsito.
Nesta quinta, o promotor da primeira zona eleitoral de São Paulo, Luiz Henrique Dal Poz, recebeu os autos com um pedido de compartilhamento.

O Ministério Público paulista pediu acesso aos documentos quando a Procuradoria-Geral da República, que tocava o caso no Superior Tribunal de Justiça enquanto Alckmin era governador, decidiu encaminhar o caso à esfera eleitoral.
Com a decisão, o tucano saiu da mira imediata da Operação Lava Jato.

Dal Poz concordou com o compartilhamento e encaminhou à decisão da Justiça Eleitoral. "No retorno dos autos, darei o encaminhamento que o caso exigir", afirmou.
Como a Folha de S. Paulo revelou, no inquérito, Alckmin confirmou uma reunião com o ex-executivo da Odebrecht Carlos Armando Paschoal, que em sua delação afirmou ter repassado R$ 2 milhões em caixa dois ao tucano, em 2010.

Leia também:
Alckmin recua e diz que vai retirar pedido de censura a pesquisa Datafolha
Temer reclama de 'falsidades' de Alckmin e viraliza; veja vídeo
Promotor apresenta ação de improbidade contra Alckmin

Naquela eleição, ele disputou com sucesso o governo de São Paulo. A Odebrecht disse ainda ter repassado mais R$ 8 milhões a Alckmin na campanha em que se reelegeu governador, em 2014. O presidenciável nega ter recebido valores não declarados. Alckmin diz que suas campanhas sempre foram feitas dentro da lei e de forma modesta. Ele diz defender as investigações e demanda que sejam sejam feitas de forma célere para esclarecer a sociedade.

Na quarta (5), o Ministério Público paulista ajuizou uma ação de improbidade administrativa contra o ex-governador.  O processo, da esfera civil, decorre também da delação da Odebrecht, mas é um desmembramento, que corre independentemente da apuração eleitoral.

Veja também

ImunizaSUS capacitará profissionais de saúde para vacinação
Saúde

ImunizaSUS capacitará profissionais de saúde para vacinação

Ao menos cinco mortos em incêndio na maior fábrica de vacinas do mundo, na Índia
VÍTIMAS

Ao menos cinco mortos em incêndio na maior fábrica de vacinas do mundo, na Índia