Após estudantes sofrerem invasão em suas contas no Sisu, MEC nega ataque hacker

Grupos teriam conseguido as senhas de usuários do Sisu e alterado suas escolhas de cursos

Usuários do Facebook participaram do "ataque"Usuários do Facebook participaram do "ataque" - Foto: Reprodução

O Governo Federal apura, nesta terça-feira (31), denúncias de que contas de pelo menos três estudantes no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) teriam sido invadidas e provocado mudanças nas inscrições de candidatos. A situação chegou ao conhecimento do Ministério da Educação (MEC) após estudantes terem sido vítimas e o caso haver repercutido.

Uma das jovens é de João Pessoa (PB), mas o nome no Sisu saiu na lista dos aprovados em Minas Gerais, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais (IFNMG), no curso de produção de cachaça. Além dela, uma estudante de Brasília e um candidato de São Paulo afirmaram ao MEC que também tiveram seus cursos trocados.

Em grupos de debate na internet, usuários relatam que o caso teria começado em sites de "image boards" - como o 55chan, no mesmo estilo de um dos mais conhecidos do tipo, o 4chan - ou mesmo em comunidades fechadas no Facebook. As senhas de acesso ao sistema do Sisu teriam sido obtidas por meio de engenharia social ou por exploração de falhas em cadastros - é possível solicitar a alteração das senhas no Sisu apenas com dados básicos do aluno. O MEC, porém, afirma que a varredura feita no sistema depois da informação não tinha indícios de invasão ou violação por hackers.

No Facebook, um dos estudantes atingidos relatou o caso. "Alteraram minha opção de curso e a de inúmeras pessoas no site do inep\sisu\mec pela tamanha facilidade em alterar a senha usando dados a qual é encontrado em qualquer site de pesquisa, até mesmo no google", afirma. "Liguei para o MEC e mandei mensagem no Facebook, abrir (sic) protocolo no site, e até agora nada de resposta concreta."

Em um dos grupos fechados no Facebook, usuários afirmam fazer essas mudanças nas escolhas de cursos de estudantes no Sisu apenas pelo prazer do "lulz" - palavra que é uma corruptela de lol, gíria em inglês que significa laughing out loud": em português significa algo como "rindo muito alto". Em outras palavras, os invasores teriam feito as alterações simplesmente para se divertir às custas dos vestibulandos.

O Ministério da Educação afirmou que está checando o IP dos computadores em que as trocas de curso foram feitas, horários e outros detalhes do acesso para remeter a uma investigação da Polícia Federal. 

Veja também

Pacientes de Manaus chegam ao Hospital das Clínicas, da UFPE, neste sábado (23)
Coronavírus

Pacientes de Manaus chegam ao Hospital das Clínicas, da UFPE, neste sábado (23)

Milhares protestam contra prisão de opositor de Putin na Rússia
Protestos

Milhares protestam contra prisão de opositor de Putin na Rússia