Após Macron, primeiro-ministro do Canadá diz que que é preciso agir pela Amazônia

Desde que o presidente contestou dados do desmatamento divulgados pelo Inpe, o cuidado com a preservação da Amazônia tem sido destacado pela mídia estrangeira

Primeiro-ministro do Canadá, Justin TrudeauPrimeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau - Foto: Sebastien St-Jean/Pool/AFP

Horas após o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmar que as queimadas na Amazônia geraram uma "crise internacional" e que discutirá o assunto no G7 -fórum do qual o Brasil não participa-, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, também manifestou seu apoio à causa dizendo que é preciso "agir pelo planeta".

"Eu não poderia concordar mais, Emmanuel Macron. Fizemos muitos trabalhos para proteger o meio ambiente no G7 do ano passado, em Charlevoix, e precisamos continuar neste fim de semana. Precisamos de #ActForTheAmazon (agir pela Amazônia, em tradução livre) e agir pelo nosso planeta -nossos filhos e netos estão contando conosco", escreveu Trudeau ao republicar, na rede social Twitter, mensagem anteriormente escrita por Macron.

Leia também:
Após crítica de Macron, Bolsonaro escala equipe ministerial em combate a queimadas
Secom avisa que fará campanha para rebater Macron


Desde que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) contestou dados do desmatamento divulgados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o cuidado com a preservação da Amazônia tem sido destacado pela mídia estrangeira. Com 72.843 focos de incêndio do início de janeiro até segunda-feira (19), o Brasil registra um aumento de 83% em relação ao mesmo período do ano passado. O fogo também avança sobre áreas protegidas. Somente nesta semana, houve 68 ocorrências dentro de terras indígenas e unidades de conservação estaduais e federal.

Mas foi nesta quinta-feira (22), com o tuíte de Macron, que o assunto ganhou ares de crise internacional. No Twitter, o francês afirmou que discutirá o caso no G7 (grupo que reúne Alemanha, Canadá, França, Estados Unidos, Itália, Japão e Reino Unido).

"Membros do G7, vejo vocês em dois dias para falar sobre esta emergência", escreveu.
"Nossa casa queima. Literalmente. A Amazônia, o pulmão do nosso planeta, que produz 20% do nosso oxigênio, está em chamas", completou o presidente francês na publicação, que traz ainda uma foto com o fogo consumindo a floresta.

A imagem usada por Macron para falar sobre a disparada no número de queimadas na Amazônia, entretanto, não é atual. A foto foi feita pelo fotojornalista da National Geographic Loren McIntyre, que morreu em 2003, nos EUA. McIntyre era um explorador que inclusive dá nome a uma das nascentes do Rio Amazonas, a Lagoa McIntyre, no Peru.

Pouco depois ao tuíte de Macron, Bolsonaro reagiu às críticas de Macron e afirmou que a proposta do líder europeu de discutir a onda de queimadas na Amazônia na cúpula do G7 "evoca mentalidade colonialista descabida no século 21". "Lamento que o presidente Macron busque instrumentalizar uma questão interna do Brasil e de outros países amazônicos para ganhos políticos pessoais. O tom sensacionalista com que se refere à Amazônia (apelando até para fotos falsas) não contribui em nada para a solução do problema", escreveu Bolsonaro em sua conta no Twitter, pouco depois de protagonizar uma live nas redes sociais sobre o assunto.

Veja também

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia
rio de janeiro

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio
agressão

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio