Após paralisação estadual, Temer anuncia intervenção integral em Roraima

O presidente informou ainda que convocará neste sábado (8) o Conselho da Defesa Nacional e o da República para deliberar a respeito da intervenção

Presidente Michel TemerPresidente Michel Temer - Foto: Flick Palácio do Planalto

Com a paralisação estadual de servidores da segurança pública, o presidente Michel Temer anunciou nesta sexta-feira (7) uma intervenção federal integral em Roraima.
A medida foi tomada para tentar evitar uma crise institucional após policiais, bombeiros e agentes penitenciários terem suspendido suas atividades.

O cenário se agravou nesta sexta-feira (7) após a 4ª Vara da Justiça Federal ter determinado o congelamento dos salários dos funcionários públicos. A decisão de intervenção foi informada após reunião promovida pela cúpula do governo federal, em Brasília. A governadora Suely Campos participou pelo telefone. Ela terá validade até 31 de dezembro.

Leia também:
Temer diz que fez um governo ousado e que será reconhecido no futuro
Roraima: pedido de intervenção federal é 'extremo e injustificável'


"Eu falei com a senhora governadora e disse que a única hipótese para solucionar a questão, especialmente aquela de natureza salarial, seria decretar a intervenção até a posse do novo governador", disse Temer. O presidente informou ainda que convocará neste sábado (8) o Conselho da Defesa Nacional e o da República para deliberar a respeito da intervenção, já que ela precisa ser aprovada pelos dois órgãos federais.

Segundo Temer, na conversa, a governadora reconheceu que a situação estaria "realmente se complicando". Ele disse ainda que a consultará para a definição do nome do interventor, que atuará com prerrogativas de chefe do Poder Executivo até o final do ano. No mês passado, diante da piora da crise imigratória de venezuelanos, o governo federal já havia decretado uma intervenção parcial em Roraima, no caso apenas na área da segurança pública.

Desde o início do ano, Roraima enfrenta um quadro de escassez e desordem com a grande entrada de venezuelanos pela fronteira, fugindo do regime do ditador Nicolás Maduro.

Veja também

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas
Terrorismo

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V
Covid-19

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V