Após queda de isolamento no final de semana, SP volta a falar em bloqueio de avenidas

No início deste mês, o tucano já havia falado na possibilidade de fechamento de avenidas

Bruno Covas, prefeito de São PauloBruno Covas, prefeito de São Paulo - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Após queda no isolamento social no fim de semana, a Prefeitura de São Paulo voltou a falar na possibilidade fechar ruas e avenidas na capital em caso de necessidade de endurecimento da quarentena.

O fim de semana foi o pior do mês, com índice de isolamento de apenas 52% no sábado e 58% no domingo, na comparação com outros dias semelhantes. No último sábado, o isolamento foi de 54% e no domingo, de 59%.

Leia também:

Brasil registra 338 novas mortes por coronavírus nas últimas 24h

Só 15% dos médicos brasileiros se dizem capazes de lidar com coronavírus, aponta pesquisa


O prefeito Bruno Covas (PSDB) afirmou nesta segunda-feira (27) que um bloqueio de orientação feito na Radial Leste nesta manhã serve como teste para um eventual aumento de rigor. A declaração foi dada durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, ao lado do governador João Doria (PSDB).

Na ação da prefeitura, agentes municipais fizeram verificação da temperatura e distribuíram folhetos e máscaras. "Uma ação pedagógica, mas que prepara também a prefeitura, CET e Secretaria de Transportes, para, se for o caso, e se for recomendado pela área da saúde, a gente poder bloquear outras vias da cidade de São Paulo como já fizemos no centro da cidade para poder restringir ainda mais a circulação de pessoas", disse Covas.

No início deste mês, o tucano já havia falado na possibilidade de fechamento de avenidas.

Questionado sobre se o relaxamento da quarentena está ameaçado devido à queda no isolamento, o governador Doria afirmou que a análise dependerá da equipe médica. Ele disse que permanece com a intenção de fazer a reabertura e que o quadro é analisado todos os dias.

Já a interação com o governo federal diminuiu muito desde a saída de Henrique Mandetta do Ministério da Saúde.

O secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann, admitiu que ainda não teve contato com o novo ministro da Saúde, Nelson Teich, mas afirmou que iniciar atividades em um ministério "não é de pouca monta" e que as questões podem ser definidas com escalões inferiores.

Germann estima que a epidemia deve durar cinco meses, assim como aconteceu em outros países. Com a curva em ascensão, o estado de São Paulo chegou a 1.825 mortes em decorrência de Covid-19 e 21.696 casos.

A cidade de São Paulo concentra 64% dos casos e mortes do estado, de acordo com boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde.

Uma a cada três mortes ocorrem fora da capital. Das 645 cidades paulistas, 131 têm registro de uma ou mais vítimas fatais da Covid-19. A doença já infectou pessoas em 288 cidades.

Entre as vítimas estão 1.066 homens e 759 mulheres. Os óbitos continuam concentrados em pacientes com 60 anos ou mais (74,7%). A mortalidade ainda é maior na faixa entre 70 e 79 anos (467 casos).

Os fatores de risco mais associados à morte são cardiopatias (56,1%), diabetes (40,6%) e doenças pulmonares (11,5%).​

Nas últimas 24 horas, 500 pessoas foram internadas no estado com suspeita ou confirmação de Covid-19. Até a tarde desta segunda-feira (27), 3.106 pacientes ocupavam leitos de UTI no estado e 4.810 de enfermaria.

Em todo o estado, a taxa de ocupação dos leitos de UTI está em 59,8% -na Grande SP chega a 78,4%. No Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, a UTI está quase lotada -95% dos leitos ocupados.

Doria também anunciou ampliação das vagas de UTI no Hospital das Clínicas, com a criação de mais 100 leitos de terapia intensiva para coronavírus, por meio de doações da iniciativa privada. A UTI no HC já tinha 200 vagas para casos de coronavírus.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, também anunciou nesta segunda-feira um aumento no número de leitos de UTI para atender a demanda de Covid-19. No início de 2020, o município tinha 507. A ideia era implantar mais 600.

Até a semana passada, a prefeitura trabalhava com a ampliação de 930 leitos de UTI e agora trabalha com a implantação de mais 1.361 leitos de UTI -metade será entregue até o final de abril e os demais em maio.

No Hospital Municipal de M'Boi Mirim (zona sul), a prefeitura inaugurou nesta segunda-feira nova ala com mais 100 leitos de UTI para tratamento da Covid-19, totalizando 514.

"Gostaria de salientar que frente ao número de leitos que o prefeito colocou e mais aqueles que podemos chegar, talvez a perto de 8.000 leitos, todos de UTI, não seremos suficientes se não ficarmos em casa e a taxa de isolamento não for mantida em torno de 60%. Sem isso, com todos esses leitos a gente ainda pode ter dificuldades", afirma Germann.

Em relação aos testes de Covid-19, Germann reafirmou que não há demanda reprimida. Ele disse que até o início desta tarde 1.164 exames tinham sido liberados e 295 estavam em processamento. Segundo ele, no final de semana os laboratórios ficaram ociosos.

POLÍCIA FEDERAL
Na esfera política, Doria afirmou que interferir na Polícia Federal é crime. A frase é uma referência às acusações do ex-ministro Sergio Moro, que acusou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de tentar interferir na PF.

"A Polícia Federal deve ser respeitada e é nacional. A Polícia Federal do Brasil não é pessoal nem familiar. Transmito aqui a minha solidariedade aos integrantes da Polícia Federal, que ajudaram a ganhar respeitabilidade da opinião pública brasileira ao longo da Lava Jato com a cooperação do ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro", disse.

Doria também fez referência ao PT, citando a "república dos companheiros". "O Brasil rejeitou a república dos companheiros. O mesmo Brasil rejeita a república dos amigos", disse. 

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

EUA confiam plenamente em que Brasil terá eleições 'livres e justas'EUA e Brasil

EUA confiam plenamente em que Brasil terá eleições 'livres e justas'

Acordo México-EUA ressuscita política migratória da era TrumpEUA e México

Acordo México-EUA ressuscita política migratória da era Trump