Após segundo leilão e preço desvalorizado, mansão que pertenceu a Clodovil encalha

A segunda oferta em leilão se encerrou nesta quinta-feira (28) sem compradores

A mansão era o xodó do estilista, que fazia questão de sempre manter bem cuidado, diferente do estado atual do imóvelA mansão era o xodó do estilista, que fazia questão de sempre manter bem cuidado, diferente do estado atual do imóvel - Foto: Divulgação

A mansão que pertenceu ao apresentador e estilista Clodovil Hernandes foi colocada à venda pela segunda vez, em leilão, mas não houve nenhuma oferta oficial, segundo a representante legal, a advogada Maria Hebe Pereira de Queiroz. O terreno com 4.375 metros quadrados, localizado em Ubatuba, litoral norte de São Paulo, foi oferecido a um valor a partir de R$ 900 mil, ou seja, 40% a menos do que o valor real estimado inicialmente, que é de R$ 1,5 milhões. No leilão, que se encerrou às 14h desta quarta-feira (28), ninguém formulou um lance oficialmente. Segundo a advogada Maria Hebe, houve apenas alguns contatos de interessados por telefone.

Agora a equipe deve esperar entre 10 e 15 dias para que esses interessados retornem a ligação e façam a proposta, por escrito. Caso não retornem, os advogados farão uma petição pedindo ao juiz um terceiro leilão e pelo lance mínimo ainda menor. A mansão de Clodovil, que foi construída nos anos 1980 em uma área de preservação ambiental, conta com 4.375 metros quadrados e possui nove suítes, piscina, sauna, lago, capela e alamedas. Segundo a representante, sobrou-se apenas o salão e a casa está em péssimo estado. "Durante todos esses anos não houve manutenção. O juiz quer que venda logo a casa porque está "sangrando" sem manutenção", contou ela, em entrevista ao UOL.

Veja também

Bike PE retoma plano para estudantes
Mobilidade

Bike PE retoma plano para estudantes

Operação Verde Brasil 2 deve prosseguir até fim de 2022, diz Mourão
notícias

Operação Verde Brasil 2 deve prosseguir até fim de 2022, diz Mourão