App para denunciar assaltos a ônibus

Para reverter o quadro de insegurança nos coletivos, Estado lança plano de enfrentamento

Prefeito Geraldo Julio (PSB) Prefeito Geraldo Julio (PSB)  - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

 

De janeiro a outubro deste ano, 1.033 assaltos a ônibus foram registrados em Pernambuco. Os números representam um aumento de 47% em relação ao mesmo período de 2015, quando o Estado acumulou 703 investidas. Os dados preocupam e geram apreensão entre os usuários e funcionários do sistema de transporte público de passageiros, que, inclusive, paralisaram os BRTs do eixo Norte-Sul, na última terça-feira, num ato que pedia o fim da violência.

Para reverter o quadro de insegurança, ontem, a gestão estadual anunciou o lançamento de um aplicativo para smart-phone que alertará a polícia sobre ações criminosas em tempo real e um novo modelo de boletim de ocorrência.

O Plano Estadual de Enfrentamento aos Assaltos a Ônibus conta com a integração de todas as organizações que lidam com o transporte e segurança pública. As medidas já vêm sendo testadas há três meses e a gestão estadual afirma que os resultados têm sido positivos. As ações foram desenvolvidas pela Secretaria das Cidades (envolvendo Grande Recife Consórcio de Transporte e Detran), Defesa Social (polícias Civil, Militar e Ciods) e Comissão Multidisciplinar.

“Todas as áreas do Estado que tratam do transporte público e segurança passam a ter uma integração maior para garantir um transporte seguro aos passageiros”, descreveu o secretário das cidades Francisco Papaléo. “Já estávamos testando essas ações e notamos uma queda no número de assaltos.”

Em 60 dias, toda a frota de veículos da Região Metropolitana do Recife (RMR) deve contar com o rastreamento em tempo real. Dessa forma, o Centro Integrado de Operações de Defesa Social poderá acionar a viatura mais próxima para atender uma ocorrência. Até o momento, 1941 veículos, aproximadamente dois terços da frota, contam com esse sistema.

Também foi estabelecido o reforço policial nos principais corredores metropolitanos. Em fevereiro de 2017, todos os ônibus devem contar com o sistema de monitoramento de alta resolução. O custo está sendo pago pelas próprias companhias.

O preenchimento do Boletim de Ocorrência também foi modificado. Agora, as empresas devem informar qualquer assalto ou tentativa dentro dos veículos mesmo que a própria companhia não tenha prejuízos. Será preciso informar em que local o assaltante embarcou e desceu, assim como o nome do motorista e cobrador que presenciaram o assalto ou tentativa.

“Eles são as testemunhas essenciais, os únicos que podemos ter certeza de que estiveram no ônibus e podem contribuir com informações”, ressaltou o chefe da Polícia Civil, Antônio Barros. “Sabemos que a maioria dos assaltantes não atua uma única vez. Melhorando a investigação e retirando-os das ruas, estamos diminuindo drasticamente o número de ações.”

A estudante Franciele Pereira, 22, espera que as novas medidas realmente funcionem. “A gente sempre espera que melhore. Fico aqui sozinha na parada, mas tenho muito medo.”

 

Veja também

Nordeste pode ter segunda onda de Covid-19 nos próximos meses, alerta comitê
Coronavírus

Nordeste pode ter segunda onda de Covid-19 nos próximos meses, alerta comitê

Artrite reumatoide: apenas 47% dos pacientes procuram ajuda médica
Saúde

Artrite reumatoide: apenas 47% dos pacientes procuram ajuda médica