Estudo

Áreas rurais latino-americanas sofrem grave atraso na conectivadade à internet

A pesquisa, baseada em 24 países da região, revelou variações marcantes entre as nações

Região rural da NicaráguaRegião rural da Nicarágua - Foto: AFP

As áreas rurais da América Latina apresentam um grande atraso em sua conectividade à Internet, em comparação com as áreas urbanas, o que impacta sua produtividade e acesso a serviços básicos, segundo estudo divulgado nesta sexta-feira (30). 

Quase 71% da população urbana da América Latina e do Caribe tem opções de conectividade, em comparação com menos de 37% nas áreas rurais, segundo estudo elaborado pela Microsoft, Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). 

“É uma lacuna que gera grande impacto, na medida em que 77 milhões de pessoas nas áreas rurais da América Latina e do Caribe carecem de conectividade”, disse à AFP Sandra Ziegler, pesquisadora do IICA responsável pelo estudo. 

Essa situação deixa grande parte da população sem acesso às informações necessárias para atividades produtivas, culturais e educacionais e sem possibilidade de acesso a medicamentos e serviços públicos. 

Os dados citados no relatório indicam que um aumento de 1% na penetração da banda larga fixa produz um aumento de 0,08% do PIB, enquanto um aumento de 1% na penetração da banda larga móvel produz um aumento de 0,15% do PIB. 

A pesquisa, baseada em 24 países da região, revelou variações marcantes entre as nações, embora "seja preciso esclarecer que todos os países estão atrasados". 

O relatório dividiu os países em três grupos, com Bahamas, Barbados, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica e Panamá tendo a maior conectividade rural. 

Em um nível intermediário estão Argentina, Equador, México, Paraguai, República Dominicana, Trinidad e Tobago e Uruguai. 

Enquanto isso, Belize, Bolívia, El Salvador, Guatemala, Guiana, Honduras, Jamaica, Nicarágua, Peru e Venezuela apresentam os níveis mais baixos. 

O pesquisador do IICA citou o caso do Brasil, onde pequenas operadoras oferecem serviços de conexão de baixo custo em áreas remotas, graças à isenção de impostos. 

“Em todos os casos (com mais conectividade) vê-se a decisão de promover determinadas políticas públicas e solicitar a colaboração do setor privado e de organizações de cooperação que fazem parte do ecossistema digital”, explicou Ziegler. 

Segundo o pesquisador, “a agricultura tem uma janela de oportunidade muito importante em relação às possibilidades que a tecnologia oferece para desenvolver a agricultura de precisão, para que as informações cheguem aos pequenos produtores para melhorar suas lavouras e realizar práticas sustentáveis”. 

O relatório, portanto, recomenda a promoção de políticas que abordem essas limitações.

Veja também

STF adia decisão sobre remarcação de concursos por crença religiosa
justiça

STF adia decisão sobre remarcação de concursos por crença religiosa

Polícia encontra cultivo residencial de maconha em Olinda

Polícia encontra cultivo residencial de maconha em Olinda