AMÉRICA LATINA

Argentina adota microdesvalorizações diárias a quatro dias das eleições

Sergio Massa enfrentará no segundo turno, no domingo, o economista ultraliberal Javier Milei, cuja principal proposta de campanha é dolarizar a economia argentina

Cédula de peso argentinoCédula de peso argentino - Foto: Maxi Gagliano/Pexels

A quatro dias do segundo turno das eleições presidenciais na Argentina, o Banco Central iniciou, nesta quarta-feira (15), microdesvalorizações diárias do peso, fazendo com que o preço do dólar oficial passasse de 365,50 pesos para 368,50 pesos.

A desvalorização do peso foi de 0,81% no dia.

A medida havia sido antecipada pelo ministro da Economia e candidato presidencial do governo, Sergio Massa, que projetou uma desvalorização mensal de 3% da moeda nacional, conforme a taxa oficial de câmbio.

Massa enfrentará no segundo turno, no domingo, o economista ultraliberal Javier Milei, cuja principal proposta de campanha é dolarizar a economia argentina, juntamente com um ajuste fiscal drástico.

"Isso é melhor em comparação com uma inflação de 35% nos últimos três meses em que o dólar oficial permaneceu estável", disse o economista Martin Kalos à AFP sobre as microdesvalorizações.

Em agosto, no dia seguinte às primárias em que Milei foi o candidato mais votado, o governo desvalorizou o peso em cerca de 20%, segundo Massa, cumprindo os acordos do programa de crédito que o país mantém com o Fundo Monetário Internacional (FMI) de US$ 44 bilhões (R$ 214 bilhões).

Desde então, o dólar oficial permaneceu inalterado, mas a cotação da moeda americana no mercado paralelo e nos chamados "dólares financeiros" continuou subindo.

O "dólar blue", ou informal, cujas oscilações impactam, segundo os economistas, na alta dos preços, subiu 4,8% nesta quarta-feira, chegando a 970 pesos por dólar.

O "dólar CCL", acessado comprando títulos com pesos e vendendo-os em dólares no exterior, fechou em 873,80 pesos. O "dólar MEP", obtido comprando ativos em pesos que são posteriormente vendidos em dólares na Bolsa local, fechou em 882,35 pesos.

Milei insistiu nesta quarta-feira, diante de empresários, que a crise econômica do país, com uma inflação anual de 142,7%, mais de 40% de pobreza e reservas internacionais negativas de 11 bilhões de dólares, segundo analistas, precisa de uma "solução de choque".

"Se Milei vencer, é preciso questionar se ele avançará com sua proposta de dolarização: para isso, não há cenário que seja menor que 3.000 pesos por dólar, com risco de hiperinflação", segundo Kalos.

Veja também

Obra causa mudança no trânsito do bairro de Parnamirim, na Zona Norte do Recife
Recife

Obra causa mudança no trânsito do bairro de Parnamirim, na Zona Norte do Recife

Fundação buscará com IA crianças adotadas irregularmente durante a ditadura no Chile
Crianças adotadas

Fundação buscará com IA crianças adotadas irregularmente durante a ditadura no Chile