A-A+

Parceria internacional

Argentina e Brasil desenvolverão vacinas de mRNA contra a Covid-19

No Brasil, foi selecionado o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) para desenvolver e fabricar os princípios ativos da vacina

Insumo Farmacêutico Ativo (IFA)Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) - Foto: Bio-Manguinhos / Fiocruz

Centros na Argentina e no Brasil irão desenvolver e fabricar vacinas anticovid com tecnologia de RNA mensageiro para a América Latina e o Caribe, anunciou nesta terça-feira (21) a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), que busca reduzir a dependência da região de insumos importados.

“Estamos apostando que esses dois centros contribuirão de forma proativa para a transferência de conhecimento e tecnologia na região”, disse o subdiretor da Opas, Jarbas Barbosa, ao informar sobre a iniciativa em uma videoconferência.

No Brasil, foi selecionado o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), que faz parte da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, para desenvolver e fabricar os princípios ativos da vacina.

E na Argentina, foi escolhida a Sinergium Biotech, empresa biofarmacêutica privada que fará parceria com a mAbxience, do mesmo grupo.

Um grupo de especialistas independentes escolheu os dois centros entre os 30 interessados em participar de uma plataforma regional lançada em agosto pela Opas.

Com isso, explicou Barbosa, o escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) visa expandir as capacidades produtivas e fortalecer uma cadeia de valor na região para aumentar o acesso e a independência tecnológica nas Américas com relação a vacinas, medicamentos e suprimentos médicos, especialmente em emergências de saúde pública, como a pandemia de Covid-19.

“Cada região deve ter capacidade de fabricação de vacinas”, enfatizou Soumya Swaminathan, cientista-chefe da OMS, na apresentação com Barbosa, realizada durante a 59ª reunião do Conselho Diretor da Opas que acontece em formato virtual até sexta-feira.

Swaminathan destacou as vantagens da tecnologia do ácido ribonucleico mensageiro (mRNA), a mesma utilizada na vacina dos laboratórios Pfizer e BioNTech, alemão e americano respectivamente, e no imunizante da empresa americana de biotecnologia Moderna.

"Em comparação com outras, a tecnologia de mRNA provou ser muito bem-sucedida para as vacinas contra Covid-19 e é altamente adaptável, não apenas contra variantes do vírus, mas também contra outros patógenos", disse.

A especialista destacou que já estão em andamento trabalhos para utilizar essa tecnologia em vacinas contra malária e tuberculose e para a produção de anticorpos monoclonais.

Ao contrário da injeção do vírus atenuado ou inativado, as vacinas de mRNA instruem as células a gerar uma proteína que desencadeia uma resposta imunológica à infecção.

Barbosa afirmou que, uma vez obtida esta vacina regional de mRNA contra a Covid-19, os dois centros se comprometeram a solicitar o sinal verde da Opas para seu uso, o que permitirá que seja oferecida aos países por meio do Fundo Rotativo da instituição.

“Temos um trabalho árduo pela frente. Mas somos movidos pela convicção de que a recompensa será uma contribuição para o acesso oportuno e equitativo às vacinas para nossa região, que continua a ser a mais atingida por esta pandemia”, declarou.

Veja também

EUA planejam retomar em novembro politica 'Fique no México'
Estados Unidos

EUA planejam retomar em novembro politica 'Fique no México'

Empresa lança cão robô armado e web compara com episódio de 'Black Mirror'
Robótica

Empresa lança cão robô armado e web compara com episódio de 'Black Mirror'