Arnaldo Barros toma posse em clima de indefinições

Sem contratações confirmadas e com Rithely querendo sair, novo presidente assume comando do executivo

Um bom desempenho no estágio pode representar a garantia de uma vaga como profissional na empresa ao término do seu cursoUm bom desempenho no estágio pode representar a garantia de uma vaga como profissional na empresa ao término do seu curso - Foto: Divulgação

 

Em meio aos preparativos para a sua posse, que acontece nesta quinta-feira (05), às 18h30, na sede do clube, o novo presidente do Sport para o biênio 2017/2018, Arnaldo Barros, juntamente com a sua diretoria de futebol, não tem muitos motivos para comemorar.

Neste processo de transição, iniciado logo após a vitória nas urnas, no dia 16 de dezembro do ano passado, a nova gestão leonina ainda não conseguiu anunciar o nome de nenhuma contratação para a atual temporada.

E se gerar a impaciência dos torcedores com a falta de reforços já é algo desgastante, a situação fica ainda pior quando um ídolo, pretendido por outros clubes, decide se mostrar insatisfeito com os próprios dirigentes da Praça da Bandeira. É o caso de Rithely, que após dois bons campeonatos brasileiros despertou interesse de diversos clubes do eixo Sul-Sudeste.

Chateado com todas as informações que estão circulando nos noticiários esportivos com falas e posições da cúpula leonina, o volante resolveu ontem convocar uma coletiva para este domingo, ainda sem local e horário definidos. Segundo o atleta, a intenção é esclarecer algumas situações e propostas que recebeu, dando a entender que a nova gestão rubro-negra tem dificultado a sua saída.

Fato é que do outro lado o Sport defende os seus direitos, e eles são absolutos. Em 2011, o clube contratou o jogador junto ao Goiás e adquiriu 50% dos seus direitos econômicos, mesma porcentagem que detém até hoje. Ano passado, após uma proposta de um clube do futebol chinês interessado no jogador, as duas partes se reuniram e decidiram esticar o vínculo até o dia 7 de abril de 2019.

Entre reajuste salarial e benefícios concedidos a Rithely, o Sport exerceu a sua vontade e elevou bastante a multa rescisória, para assim garantir uma boa quantia caso algum clube se mostrasse interessado em tirá-lo do Sport. Sem querer revelar o valor exato para que o contrato seja rompido, o presidente Arnaldo Barros afirmou apenas que “essa multa é impagável por qualquer clube brasileiro”. Nos bastidores, muitos garantem que o valor seria de R$ 40 milhões. Ou seja, o Leão teria direito a R$ 20 milhões, metade da fatia.

Para os rubro-negros, não há nada de alarmante na decisão de Rithely. “Acho interessante que ele queira esclarecer. Não tem problema nenhum. Ele tem contrato e só não vai ficar se surgir algo bom para o clube. Até agora só nos chegou a proposta do Atlético e não nos interessou”, afirmou Alexandre Faria, novo executivo de futebol.

Chegadas
A expectativa é que até amanhã as primeiras contratações para a temporada 2017 sejam anunciadas pelos ru­­­bro-negros. Ontem, esfriaram as negociações para as contratações de Arouca e Rafael Marques, do Palmeiras e que envolveria a ida de Samuel Xavier ao Verdão. Os al­­­­tos salários dos atletas foi o gran­­­­­­de empecilho para o acerto.

 

Veja também

Bolsonaro participa de celebração nacional da Índia na embaixada
Governo Federal

Bolsonaro participa de celebração nacional da Índia na embaixada

Aumento do diesel eleva 'insatisfação' de caminhoneiros, mas governo ainda não vê risco de greve
Greve

Aumento do diesel eleva 'insatisfação' de caminhoneiros, mas governo ainda não vê risco de greve