Arquidiocese ordena sete padres nesta segunda, na Sé

Os até então diáconos serão consagrados sacerdotes em celebração que deverá encher o templo e contará com transmissão ao vivo em um telão colocado em frente à igreja

Catedral da Sé, em OlindaCatedral da Sé, em Olinda - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

A Arquidiocese de Olinda e Recife (AOR) ordena nesta segunda-feira (17) sete novos padres em missa na Catedral Metropolitana da Sé, em Olinda, na Região Metropolitana do Recife (RMR). Os até então diáconos transitórios serão consagrados sacerdotes em celebração presidida pelo aniversariante do dia, o arcebispo dom Fernando Saburido, às 19h, e deverá encher o templo. Uma telão instalado em frente à igreja fará a transmissão ao vivo da solenidade.

Receberão o grau presbiteral do sacerdócio Danilo Rogério Pereira de Vasconcelos, Ivanilson Silva de Araújo, José Vila Nova Brainer Segundo, Renan Maurício da Silva, Renato Matheus Sales de Deus e Melo, Valdenor José do Nascimento e Walter Luiz Barbosa de Lima.

Leia também:
Arquidiocese ordena sete diáconos no dia de Santo Antônio
Arquidiocese de Olinda e Recife ordena novo bispo auxiliar


Todos se formaram no Seminário Arquidiocesano e concluíram os cursos de Teologia e Filosofia na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) em uma preparação que durou cerca de nove anos. Os candidatos ainda fizeram estágio pastoral em paróquias e auxiliaram nas comissões da AOR.

O rito da ordenação consta de apresentação e promessas dos candidatos a padre, imposição das mãos feita pelo arcebispo, consagração, unção com o óleo do crisma e, por fim, colocação das vestes litúrgicas. As primeiras missas de cada novo padre serão celebradas em dias diferentes em suas respectivas comunidades de origem.

Veja também

AstraZeneca nega ter rejeitado reunião com UE sobre vacinas
RESPOSTA

AstraZeneca nega ter rejeitado reunião com UE sobre vacinas

Impactos do megavazamento de dados podem durar anos, diz especialista
Proteção de dados

Impactos do megavazamento de dados podem durar anos, diz especialista