Arrependidos do voto em Bolsonaro somam 17% de seus eleitores, diz Datafolha

Segundo o levantamento, 39% dos entrevistados consideram a gestão de Bolsonaro na crise do coronavírus ruim ou péssima

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Carolina Antunes/PR

Entre eleitores que votaram em Jair Bolsonaro na eleição presidencial de 2018, 17% dizem que estão arrependidos da escolha, segundo o Datafolha.

A pesquisa do instituto foi feita de quarta-feira (1º) até a sexta-feira (3) da semana passada, por meio de 1.511 entrevistas. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Segundo o levantamento, feito por telefone por causa da pandemia, 39% dos entrevistados consideram a gestão de Bolsonaro na crise do coronavírus ruim ou péssima, ante 33% que acham a atuação dele boa ou ótima.

Leia também:
69% preveem que vão perder renda na crise, diz Datafolha
Reprovação a Bolsonaro na gestão da pandemia cresce entre os mais pobres, diz Datafolha


A taxa de ruim/péssimo sobe para 63% entre aqueles que dizem ter se arrependido do voto no atual presidente na eleição de 2018. Para efeito de comparação, o índice é quase tão negativo para o presidente quanto o obtido entre eleitores do petista Fernando Haddad -70% de ruim ou péssimo.

Entre os entrevistados que defendem a renúncia do presidente, a reprovação ao modo como responde à Covid-19 chega a 77%.

No grupo desses eleitores arrependidos, as mulheres são maioria -60%. A situação se inverte no conjunto dos 87% de eleitores do presidente que negam ter arrependimento sobre o voto.

Em pesquisa feita duas semanas atrás, feita de 18 a 20 de março, a quantidade de eleitores arrependidos de ter votado em Bolsonaro era de 15%, diferença dentro da margem de erro em relação ao levantamento da semana passada.

A pesquisa também mostrou que os eleitores dele arrependidos também têm mais medo do coronavírus do que a população em geral (45% nesse grupo ante 38% da média geral) e acham mais que a quantidade de mortes por causa da pandemia será elevada (66%, ante 52% da população).

Também têm opiniões mais duras do que a população em geral em temas como a permanência do isolamento social e o fechamento de escolas para evitar a disseminação da doença.

Bolsonaro foi eleito em segundo turno, com 57,8 milhões de votos (55,1% dos votos válidos).

Este levantamento do Datafolha, assim como o anterior, foi feito por telefone para evitar contato com o público em meio à pandemia da Covid-19. A pesquisa por telefone exige questionamentos mais rápidos.

No geral, os números do instituto mostraram que a população aprova as medidas de restrição de circulação e não apoia a renúncia do presidente da República.

Entre os entrevistados, 76% defendem que a população fique em casa para conter a disseminação do vírus. No Brasil, não há penalidade para quem sair de casa, como existe em vários países europeus.

A renúncia do presidente é rejeitada por 59% dos brasileiros. A aprovação da condução da crise do novo coronavírus pelo Ministério da Saúde, segundo a pesquisa, é mais do que o dobro da registrada por Bolsonaro.

A pasta conduzida por Luiz Henrique Mandetta tem 76% de avaliação ótima ou boa. Governadores e prefeitos também têm avaliação superior à do presidente.

O presidente tem se colocado contra medidas de restrição decretadas por governadores e vem minimizando os efeitos da pandemia. Em pronunciamento na TV, já chegou a defender a volta à normalidade e a retomada das atividades escolares e do comércio.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Estudante brasileira descobre, aos 16 anos de idade, um asteroide
Astronomia

Estudante brasileira descobre, aos 16 anos de idade, um asteroide

Após nove anos servindo à PMPE, pastor alemão Ninja conquista a aposentadoria
Folha Pet

Após anos servindo à PMPE, pastor alemão Ninja se aposenta