A-A+

Artefatos arqueológicos são encontrados em intervenção da Compesa em Olinda

Intervenção feita pela Compesa na Cidade Alta, município de Olinda, localizou mais de 2,8 mil objetos arqueológicos datados do século 16 ao 19

Louça, cerâmicas, ossos e garrafas entre os achadosLouça, cerâmicas, ossos e garrafas entre os achados - Foto: gleyce lopes/Divulgação

Mais de 2,8 mil artefatos arqueológicos que guardam parte relevante da história de Pernambuco foram encontrados onde foi estabelecida, a partir de 1535, a primeira vila em Olinda, no Grande Recife. Entre os objetos estão fragmentos de faiança, louça, cerâmica, cachimbos de caulim, garrafas de vidros manufaturadas, material construtivo, ossos e metais como pregos e moedas. Segundo os arqueólogos, foram achados materiais que datam do século 16 ao 19.

A intervenção faz parte do projeto Olinda+Água, da Compesa, que conta com o investimento de R$ 152 milhões e possibilitará a substituição de quase 100 quilômetros de tubulações em 15 bairros na Marim dos Caetés. Desde o início da obra na Cidade Alta, em junho de 2018, o trabalho preventivo e cuidadoso de escavações manuais conta com a assistência permanente de uma equipe de arqueólogos, buscando assegurar a preservação do patrimônio.

Leia também:
Cresce volume de lixo no esgoto da RMR, aponta Compesa
Arqueólogos abrem sarcófago e encontram três múmias no Egito

Em alguns lugares foi preciso escavar quase dois metros para ser encontrado algo. Em contrapartida, outros objetos foram achados a apenas 40 centímetros da superfície terrestre. "Não esperávamos encontrar esse volume de material diferenciado, por se tratar de uma área bastante impactada com a ocupação urbana. Mas os vestígios materiais encontrados comprovam que Olinda preserva as características iniciais no seu subsolo”, informa a arqueóloga Gleyce Lopes.

Boa parte dos materiais foi coletada nas áreas do Monte (Francisco Batista Bezerra), Bonsucesso, Guadalupe e Amparo. Na Rua Saldanha Marinho, ao lado da Academia Santa Gertrudes, a equipe de arqueólogos encontrou a maior quantidade de artefatos. Nesta semana, durante as escavações na Estrada do Bonsucesso, próximo ao Largo do Amparo, os arqueólogos encontraram, dentre outros materiais, um possível projétil de bala de canhão.

Todos os objetos coletados passam por limpeza, organização por tipologia e acondicionamento para, só ao final da obra, serem entregues ao município. "Estamos categorizando a topologia de cada vestígio, para podermos fazer uma contextualização histórica dos objetos encontrados. Depois deste trabalho, vamos poder entender melhor como funcionava o modo de vida nos períodos que as peças faziam parte", explicou a arqueóloga.

Exposição
Algumas das peças encontradas recentemente serão selecionadas para atualizar o acervo da “Exposição Resgate e Monitoramento Arqueológico durante Ampliação e Setorização na Rede de Água da Compesa - Sítio Histórico de Olinda”, em cartaz no Espaço Museológico do Laboratório Municipal de Arqueologia de Olinda, localizado no subsolo do Mercado da Ribeira.

A exposição busca proporcionar à comunidade o contato com os materiais resgatados ao longo da obra, mostrando como os estudos arqueológicos preventivos e o acompanhamento das escavações são importantes para minimizar os impactos causados ao patrimônio. A exposição pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 16h. A entrada é gratuita. Esses materiais também foram apresentados em escolas do Sítio Histórico, dentro de uma proposta de mostra itinerante para educação patrimonial.

Veja também

Vaquejada não autorizada com mais de 600 pessoas é interrompida em Vitória de Santo Antão
Vitória de Santo Antão

Vaquejada não autorizada com mais de 600 pessoas é interrompida na Zona da Mata

Os 5 membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU querem 'Afeganistão estável', diz Guterres
Afeganistão

Os 5 membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU querem 'Afeganistão estável', diz Guterres