Comunicação

Articulação Mídia Negra entrega lista de reivindicações à Secom

Governo diz que já há tratativas para uma comunicação antirracista

Governo faz tratativas para produzir comunicação antirracistaGoverno faz tratativas para produzir comunicação antirracista - Foto: Freepik

Entidades e empresas ligadas à Articulação pela Mídia Negra entregaram à Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) uma lista com 59 reivindicações visando fomentar e incentivar produção e difusão de notícias que dizem respeito a comunidades negras, periféricas e indígenas.

A iniciativa é, segundo o grupo, uma forma de ajudar na promoção de igualdade racial na mídia, em especial nas lideradas e formadas por esses grupos em todo o país.

A ideia, segundo documento divulgado pelas entidades, é reivindicar abertura de diálogo com gestores de comunicação do governo Lula, para que o processo de regulamentação da mídia e as políticas de comunicação envolvam as demandas desses grupos.

Entre as entidades ligadas à Articulação pela Mídia Negra signatárias do documento estão a Comissão de Jornalistas de Igualdade Radial (Cojira); a Rede de Jornalistas Pretos pela Diversidade na Comunicação (Rede JP); a Rede Quilombação; a Comissão Nacional de Jornalistas pela Igualdade Racial (Conajira); o Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (Celacc); Movimento Negro Unificado; Associação Nacional de Mídia Afro (Anma); e Conexões Periféricas.

Coordenadora da Rede de Jornalistas Pretos, Marcelle Chagas disse que as 59 propostas contaram com a participação de 55 organizações lideradas por comunicadores e jornalistas negros. “Entre as principais demandas apontadas está o fomento para que a população negra consiga desenvolver e implementar suas ações de comunicação com sucesso, tendo em vista que a população negra já é impactada de diferentes formas para desigualdade social”.

Segundo Marcelle, é necessário que se busque condições de sustentabilidade financeira para o desenvolvimento dessas ações de comunicação. Há também demandas visando equidade racial na comunicação pública, e mudanças nas regras de concessão de rádio e TV.

“São várias demandas que a gente pode trabalhar de diferentes formas e diversas faixas, mas é a partir de um entendimento coletivo da necessidade de a gente mudar essa estrutura que propaga desigualdade social também no campo da comunicação”, argumentou.

De acordo com o secretário de Análise, Estratégia e Articulação da Secom, Renan Brandão, já existem, no âmbito da Secom e do Ministério da Igualdade Racial, “tratativas avançadas para que a gente tenha uma comunicação antirracista”.

Brandão disse que as propostas ajudarão a enriquecer as propostas em elaboração pelo governo, visando políticas “públicas robustas” que possam ser implementadas, formuladas e implementadas na área de comunicação pública e governamental.

Veja também

Passageiro morre e motociclista fica ferido após acidente em vala às margens da BR-232, no Curado
Recife

Passageiro morre e motociclista fica ferido após acidente em vala às margens da BR-232, no Curado

Israel examina propostas que dão 'margem para avançar' para uma trégua em Gaza
guerra no oriente médio

Israel examina propostas que dão 'margem para avançar' para uma trégua em Gaza