Guerra na Ucrânia

As possíveis consequências jurídicas da invasão à Ucrânia

Corte Internacional de Justiça (CIJ), da ONU, convocou, por sua vez, audiências para os próximos dias 7 e 8

Conflitos na UcrâniaConflitos na Ucrânia - Foto: Aris Messinis / AFP

O procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI) anunciou que abriu uma investigação sobre a situação na Ucrânia, após denúncias de "crimes de guerra e contra a humanidade" cometidos pela Rússia.

A Corte Internacional de Justiça (CIJ), da ONU, convocou, por sua vez, audiências para os próximos dias 7 e 8 sobre as denúncias apresentadas pela Ucrânia envolvendo ações das tropas russas que invadiram aquele país.

Seguem abaixo cinco questionamentos sobre a situação jurídica após a invasão:

- A Rússia infringiu o direito internacional?

A Rússia violou o Artigo 2 (4) da Carta das Nações Unidas, que proíbe o uso da força em nível internacional, diz Geoff Gordon, pesquisador principal do Instituto Asser de direito internacional e europeu, com sede em Haia.

"O uso da força militar russa não é desconhecido" na Ucrânia, acrescenta Philippe Sands, professor de direito internacional no Reino Unido. Mas "hoje existem regras para nos proteger de tais atos, refletidas na Carta da ONU, o que temos de mais parecido com uma Constituição internacional", destacou Sands em artigo publicado no "Financial Times". "Foram os compromissos mais importantes da Carta o que Putin menosprezou."

- Que tribunais podem julgar as questões ligadas à Ucrânia?

A Ucrânia se apresentou à Corte Internacional de Justiça (CIJ), que realizará audiências nos próximos dias 7 e 8 para determinar suas competências jurídicas nesse caso, aponta Geoff Gordon. Além disso, os tribunais nacionais também podem julgar casos relacionados a violações do direito internacional, acrescenta.

A Rússia também poderia ter que comparecer perante o Tribunal Europeu de Direitos Humanos, ao ser acusada por Kiev de violações nessa área.

A Ucrânia não é signatária do Estatuto de Roma, tratado fundador do TPI, mas reconheceu formalmente em 2014 a jurisdição do mesmo em relação aos crimes cometidos em seu território. A Rússia, por sua vez, retirou-se do TPI, razão pela qual este não pode processar cidadãos russos em solo russo, apenas se estiverem detidos no território de um Estado que reconheça a jurisdição do tribunal.

A CIJ anunciou hoje que realizará audiências nos dias 7 e 8 em um caso apresentado pela Ucrânia, que acusa a Rússia de planejar genocídio. A juíza presidente do Tribunal, Joan Donoghue, chamou a atenção da Rússia "para a necessidade de agir de forma que qualquer decisão do Tribunal possa ter os efeitos desejados", especificou a CIJ, principal órgão judicial das Nações Unidas, com sede em Haia.

- Os indivíduos podem ser responsabilizados?

Sim. O TPI julga os acusados das piores atrocidades cometidas no mundo, que incluem genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Os indivíduos também podem ser processados por tribunais nacionais.

O TPI, no entanto, não pode julgar o crime de agressão – ataque de um Estado contra outro planejado por um líder político ou militar – se esse país não tiver ratificado o Estatuto de Roma, como é o caso da Rússia e da Ucrânia.

Philippe Sands sugeriu a criação de um tribunal penal internacional ('ad hoc') consagrado à agressão russa contra a Ucrânia.

- O que acontece agora? 

De acordo com Cecily Rose, professora assistente de direito internacional público na Universidade de Leiden (Holanda), as audiências e a decisão da CIJ poderiam acontecer em breve, em virtude da urgência.

Sobre o TPI, o mesmo poderia emitir atas de acusação se os juízes determinarem que tem jurisdição e provas suficientes, ou se um Estado-membro apresentar o caso diretamente ao tribunal.

- Quais serão os efeitos?

É difícil prever, dizem os especialistas. A CIJ, cujas sentenças têm caráter definitivo e inapelável, "não conta com um mecanismo de aplicação clássico" para fazer com que as mesmas sejam cumpridas, diz Geoff Gordon. Já o TPI não tem uma força policial própria e depende dos Estados-membros para efetuar prisões.

“Por outro lado, assistimos à mobilização de uma série de mecanismos mais ou menos coordenados, cujo objetivo é punir a Rússia por travar uma guerra ilegal”, como sanções econômicas, restrições de viagens e cancelamento de eventos esportivos, explica Gordon. "Uma sentença da CIJ poderia ter um papel nessas ações no futuro", estima.

Veja também

Diagnóstico de dengue e imunização exigem cautelas na doação de sangue
arbovirose

Diagnóstico de dengue e imunização exigem cautelas na doação de sangue

Esquadrilha da Fumaça celebra aniversário do Recife com apresentação no Marco Zero
ANIVERSÁRIO DO RECIFE

Esquadrilha da Fumaça celebra aniversário do Recife com apresentação no Marco Zero