Assembleia Legislativa de Pernambuco leva o Legislativo a Ipojuca

Segunda edição do Alepe nos Municípios aconteceu nesta terça-feira (3) na Erem Frei Otto, no distrito de Nossa Senhora do Ó

Presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP)Presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP) - Foto: Nando Chiappetta/ALEPE

Em busca da reafirmação do contato da população com o Poder Legislativo, a Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) levou, nesta terça-feira (3), a segunda edição do Alepe nos Municípios a Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife (RMR).

A iniciativa, que ocorreu na Escola de Referência em Ensino Médio Frei Otto, no distrito de Nossa Senhora do Ó, contou com a participação do presidente da Casa Joaquim Nabuco, Eriberto Medeiros (PP), e dos parlamentares locais, Romero Sales Filho (PTB) e Simone Santana (PTB). De forma pedagógica, o evento foi dividido em três momentos: o funcionamento do Legislativo e da Assembleia, a função dos deputados estaduais e como a população pode auxiliar no trabalho da Casa.

O auditório da escola, que tem uma capacidade para 200 pessoas, ficou lotado, com a população interessada em tirar dúvidas sobre as atividades da Casa Legislativa estadual. O presidente da Alepe e autor do programa, Eriberto Medeiros, enfatizou a importância de Ipojuca para o projeto. “O objetivo é irmos aglutinando ideias e sugestões para o aperfeiçoamento do projeto e trazer todos aqueles que querem colaborar. Ipojuca é uma cidade muito importante para o roteiro, com a presença de dois representantes na Casa”, explicou.

Leia também:
Alepe promove congresso para celebrar as Constituições estaduais
Alepe lança projeto para aproximar cidadão da vida parlamentar


O deputado Romero Sales Filho frisou a necessidade da iniciativa começar pelos municípios fora da Capital pernambucana. “Isso serve para o povo de Ipojuca entender que aquela Casa não é apenas para o Recife, para a região que tem o foco da Capital, mas que a nossa cidade pode se fazer ouvida pela casa do povo, que têm se mantido distante”, comentou, explicando ainda sobre o contato com os mais jovens. “Aquelas quatro paredes ainda inibem a população de ir lá participar. Então, mostrar principalmente aos mais jovens o quanto eles podem ajudar a política e fazer o município crescer”, completou.

Para a vice-presidente da Alepe, Simone Santana, o projeto endossa o contato das mulheres com as atividades legislativas, já que são minoria na Casa, contando com dez representantes. “Eu, como mulher deputada, acho isso mais interessante ainda porque somos dez e representamos seis milhões de pernambucanas. Então, é importante que a gente esteja diretamente em contato com elas. Essa é uma oportunidade importante de fala, de sugestão e de interação nossa com a população”, afirmou.

Além do contato com as representações políticas locais, a população aprendeu como funciona a auditoria da Casa. “O principal papel da ouvidoria aqui é quebrar a ideia fixa de que os candidatos só aparecem no momento da eleição e depois desaparecem. E a ouvidoria é essa peça que falta nesse quebra-cabeça para as pessoas acessarem os deputados. As pessoas podem participar das atividades legislativas e nós somos o canal de comunicação entre eles”, completa o ouvidor executivo da Alepe, Douglas Moreno.

No fim da programação, alunos da rede estadual de ensino participaram de um jogo de perguntas sobre os temas abordados pela Alepe nos Municípios, tendo a estudante da Escola de Referência em Ensino Médio de Ipojuca Gabriela Araújo, de 16 anos, como vencedora. Além dos deputados, integraram o evento a prefeita de Ipojuca, Célia Sales, o presidente da Câmara Municipal, Albérico da Cobal, e o presidente da União dos Vereadores de Pernambuco, Josinaldo Barbosa de Araújo.

Veja também

Carrefour terá que punir funcionário que praticar racismo, decide Justiça
Racismo

Carrefour terá que punir funcionário que praticar racismo, decide Justiça

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS
HIV

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS