A-A+

Discussão

Audiência pública no Recife discute violência doméstica e insegurança na moradia

Questões sobre habitação e Lei Maria da Penha foram debatidas no encontro

Audiência foi requerida pela vereadora Cida Pedrosa (PC do B)Audiência foi requerida pela vereadora Cida Pedrosa (PC do B) - Foto: Reprodução/Vídeo

A relação entre moradia e violência doméstica contra a mulher foi tema discutido em uma audiência pública, nesta quarta-feira (28), realizada pela Câmara Municipal do Recife. Requerida pela vereadora Cida Pedrosa (PC do B), o intuito da reunião foi debater o assunto e soluções de forma conjunta para resolver o problema. A audiência ficará disponível no canal da Câmara no Youtube, a TV Web CM Recife. 

Prevista na Lei Maria da Penha, a violência patrimonial, quando relacionada à moradia, é um dos fatores da não interrupção da violência doméstica. Muitas mulheres nesta situação se submetem a permanecer em um relacionamento abusivo por medo de ficarem desabrigadas com seus filhos. No encontro, as discussões com o poder público visaram debater propostas além do acolhimento em abrigos. 

“São um conjunto de ações, e a partir dessa conversa a gente, enquanto poder público municipal, também traz algumas questões que iremos nos debruçar sobre ela, para que possamos ir minimizando essa questão que é muito difícil. Ainda há muitas pessoas que entendem a Lei Maria da Penha apenas nos casos de agressão física”, disse a secretária da Mulher do Recife, Glauce Medeiros. 

Para a doutora em desenvolvimento urbano Raquel Ludermir, a violência patrimonial relacionada à moradia vem sendo invisibilizada, tanto pela polícia quanto pelas varas de violência doméstica e de família.

“O que eu chamo a atenção é que a gente tem o alcance dessas políticas ainda muito limitadas, quantitativamente mesmo, estamos falando aqui de uma a cada três mulheres que sofrem violência. Dessas, 2/3 perdem as suas casas para sobreviver. Então, os programas habitacionais hoje têm um alcance quantitativo muito limitado e um processo muito lento que não é compatível com a urgência dessas mulheres para acessar moradia”, disse Raquel Ludermir. 

A secretária municipal de habitação, Maria Eduarda Campos, que debateu sobre questões de habitação, citou a relevância em incorporar mais mulheres na participação do planejamento urbano e na implementação das políticas habitacionais na capital pernambucana. Além disso, mencionou a importância de medidas de curto, médio e longo prazo no acesso à moradia.

“Estamos pensando muito nesses projetos de locação social que talvez sejam uma forma de termos acesso mais rápido à moradia. E de poder, nesse percentual, colocar um bom recorte dessas mulheres vítimas de violências domésticas para que elas possam ter soluções de curto, médio e longo prazo”, citou a secretária municipal de habitação. 

Segundo a vereadora Cida Pedrosa, o crime de violência patrimonial é uma luta a ser levada a nível nacional. “Precisamos pensar não só em políticas públicas no que se diz respeito à violência patrimonial, como também acho que caberia, e acho que é uma luta nacional, ter regulamentação em outros estatutos legais. Nós poderíamos lutar para que alguns diplomas legais, como a questão do direito de família e até o código penal, sejam modificados para que o crime de violência patrimonial possa ser melhor utilizado como instrumento de defesa pelas mulheres”, finalizou.

Veja também

Presidente da Funai provoca investigação da PF contra servidor que defendeu índios
funai

Presidente da Funai provoca investigação da PF contra servidor que defendeu índios

Corpo de menino de 7 anos é encontrado em área de mata em Camaragibe
Pernambuco

Corpo de menino de 7 anos é encontrado em área de mata em Camaragibe