méxico

Autoridades mexicanas encontram 31 corpos em fossas clandestinas no oeste do país

A região é afetada pela violência vinculada ao crime organizado

Bandeira do México.Bandeira do México. - Foto: Andrea Hernández / Pexels

Autoridades mexicanas exumaram os corpos de 31 pessoas de duas fossas clandestinas na cidade de Tlajomulco de Zúñiga, no estado de Jalisco, oeste do país, uma região afetada pela violência vinculada ao crime organizado, anunciaram as autoridades na quinta-feira.

"Já contabilizamos 31 vítimas com o processamento realizado pelo instituto (de ciências forenses). É um processo detalhado e temos que esperar para que os corpos sejam plenamente identificados", declarou à imprensa o procurador do estado Luis Joaquín Méndez.

O procurador explicou que as autoridades têm elementos para identificar metade das pessoas e entregar os corpos às famílias.

A primeira sepultura foi localizada em 1º de fevereiro na localidade de San Isidro Mazatepec, no município de Tlajomulco de Zúñiga, e após vários dias de trabalho, quando as autoridades começaram a retirar os cadáveres, o outro cemitério clandestino foi encontrado.

"Estamos trabalhando, precisamos dividir os funcionários porque foram encontrados dois pontos", disse Méndez,

Jalisco, controlado pelo poderoso Cártel Jalisco Nova Geração (CJNG), é um dos estados mais afetados pela violência do crime organizado.

Em 2022 foram encontrados 301 cadáveres em 41 fossas clandestinas no estado. O recorde foi registrado em 2020, com 544 corpos localizados em 27 cemitérios clandestinos.

De acordo com os números oficiais, o México registra mais de 340 mil homicídios, a maioria atribuídos a grupos criminosos, desde o início de uma polêmica ofensiva militar de combate às drogas em dezembro de 2006.

Veja também

Plano para expulsar imigrantes a Ruanda é aprovado no Parlamento britânico
Imigração

Plano para expulsar imigrantes a Ruanda é aprovado no Parlamento britânico

Taxa de mortalidade de pacientes tratadas por mulheres médicas é menor, indica estudo
Estudo

Taxa de mortalidade de pacientes tratadas por mulheres médicas é menor, indica estudo

Newsletter