Coronavírus

Autotestes não serão distribuídos pelo SUS, diz ministro

Anvisa ainda não liberou a utilização do autoteste no país

Marcelo Queiroga, ministro da saúdeMarcelo Queiroga, ministro da saúde - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quinta-feira (27) que os autotestes de Covid-19 no país, caso aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), não serão distribuídos gratuitamente para a população, mas ficarão disponíveis nas farmácias para “a sociedade que tiver interesse em adquirir”. 

Segundo o ministro, os autotestes vão facilitar o acesso ao teste de Covid-19 e, com isso, será possível “um acompanhamento adicional do ritmo da pandemia”. 

No dia 19, a Anvisa decidiu por quatro votos a um adiar a decisão se autoriza ou não o autoteste no país, e pediu mais dados para o Ministério da Saúde. O ministério informou que já foram enviadas as informações. A reunião da diretoria colegiada do órgão para deliberar sobre o assunto está marcada esta sexta-feira (28), às 10h.

Vacinação em crianças
O ministro Marcelo Queiroga minimizou uma publicação do Ministério da Saúde que voltou a pedir que os pais "procurem a recomendação prévia de um médico antes da imunização". “Não é uma imposição, é uma recomendação. [A] Campanha de vacinação está indo bem. É uma adesão satisfatória, não só em relação a essa faixa etária, mas em relação as outras”, disse.

Ainda sobre o processo de imunização contra o coronavírus no Brasil, Marcelo Queiroga disse que a pasta quer avançar na aplicação da segunda dose e da dose de reforço da vacina contra a Covid-19, “especialmente nas regiões onde a cobertura está mais baixa”. 

“O Brasil é um país continental e há uma heterogeneidade de um estado para outro, e é importante que a gente siga de uma maneira mais homogênea para proteger contra a variante”, defendeu Queiroga.

Veja também

Emissões mundiais de CO2 vinculadas à energia batem recorde em 2023
MUNDO

Emissões mundiais de CO2 vinculadas à energia batem recorde em 2023

Prefeito japonês renuncia por 99 casos de suposto assédio sexual
CRIME

Prefeito japonês renuncia por 99 casos de suposto assédio sexual