Avenida Caxangá recebe novo acesso

Medida vai reduzir acesso ao bairro da Várzea, Zona Oeste do Recife, em aproximadamente 1,2 quilômetro

Mapa do novo retorno na Avenida CaxangáMapa do novo retorno na Avenida Caxangá - Foto: Divulgação/CTTU

Um novo acesso à Avenida Caxangá será implantado a partir desta quarta-feira (13), próximo ao cruzamento com a Rua Dona Inês Correia de Araújo. A mudança vai permitir a redução do acesso ao bairro da Várzea, Zona Oeste do Recife, em aproximadamente 1,2 quilômetro.

Leia também:
Trânsito no Recife continua vítima de velhos problemas

A ação da Prefeitura do Recife, por meio da (CTTU) e da Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb) também tenta reduzir a retenção de veículos no cruzamento da Avenida Caxangá com a Rua Ribeiro Pessoa, nas proximidades da Unidade de Pronto Atendimento Professor Paulo Cavalcanti (UPA da Caxangá), que antes era o único retorno existente nesse trecho da via.

De acordo com a CTTU, o novo acesso faz parte de um conjunto de ações implantadas para contribuir com a mobilidade de toda a capital, que já implantou 95 modificações em toda a cidade desde o início da gestão da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano. 

Mudança
Com o novo acesso, os motoristas que seguem no sentido Camaragibe poderão entrar na Rua Pedro Ernesto, que passa a ser mão única no sentido Avenida Caxangá/Rua Dona Inês Correia de Araújo e continuar pela Rua Dona Inês Correia de Araújo, que também deixa de ser mão dupla e passa a ser mão única no sentido Avenida Caxangá, e realizar o giro à esquerda na Avenida Caxangá, acessando a via no sentido Centro. Será possível, agora, entrar à direita na Rua Tôrres Homem e acessar o Bairro da Várzea. Um semáforo será implantado no canteiro central da Avenida Caxangá, voltado para quem segue pela Rua Dona Inês Correia de Araújo.

Veja também

Governo do Rio cria carnaval fora de época
Carnaval

Governo do Rio cria carnaval fora de época

Rússia nega recusa da Sputnik V e diz que Anvisa pediu mais dados
Vacina

Rússia nega recusa da Sputnik V e diz que Anvisa pediu mais dados