Bacalhau do Batata, receita de sucesso ainda mais colorida

Troça que deu novo sentido à Quarta-feira de Cinzas estreia novo figurino do boneco do fundador

A troça foi fundada em 1962A troça foi fundada em 1962 - Foto: Brenda Alcântara

Bacalhau, cebola, batata, cenoura, pimentão, coentro, coco, alface... e o estandarte do Bacalhau do Batata estará pronto. Todos os ingredientes são cuidadosamente fixados na estrutura de madeira original, que desfila com a Troça Carnavalesca Mista desde 1962, e vão servindo de petisco ao longo do trajeto. “A gente passa colorau, por isso ele fica avermelhado. As pessoas vão tirando os pedaços do bacalhau no caminho e o estandarte volta cheio de buraquinhos”, diz a presidente da agremiação - e sobrinha do garçom-fundador Isaías Ferreira da Silva, Batata, falecido em dezembro de 1993 -, Fátima Araújo. Este ano, 30 músicos compõem a orquestra, regida por Adriano Babá, do Grêmio Musical Henrique Dias.

Leia também:
Nação Zumbi encerra o Carnaval de Olinda na Quarta-Feira de Cinzas
Turistas começam a chegar para o Carnaval de Olinda

O desfile mais famoso da Quarta-feira de Cinzas se concentra no Alto da Sé, em Olinda, entre 9h e 10h, quando termina o Bloco Munguzá de Zuza Miranda & Thais (cuja concentração começa às 5h). De lá o trajeto é longo, mas não tão extenso, porque a multidão nem dá ideia de que o Carnaval, oficialmente, já terminou: vai pelo Bonfim, pela Ribeira e rua de São Bento; passa pela frente do prédio da prefeitura; pega as ruas 15 de Novembro, da Bica e 13 de maio, os Quatro Cantos e a rua Prudente de Morais; segue pela rua da Liberdade e termina na praça do Carmo, já por volta das 14h. Em torno de duas mil pessoas acom-panham esse trajeto, segundo Fátima.

O boneco do Batata, neste Carnaval, feito por Sílvio Botelho, mu¬¬da de figurino depois de 16 anos e ganha novas cores. E este será o último desfile do atual abre-alas, uma alegoria enorme feita de acrílico e alumínio, usada desde 1997, que virará peça do Museu do Alemão, no Alto da Sé.

“Não pensamos em tema. O Bacalhau homenageia meu tio sempre. A ele e a todos os garçons do Brasil. A motivação é que nos segue nesses 56 anos”, diz Fátima. Sem auxílios públicos municipais ou estaduais, o Bacalhau do Batata segue na raça. “Faz 17 anos que a Prefeitura de Olinda não nos ajuda. Em 2010, precisamos vender uma Brasília velha do meu pai, em retalhos, para termos dinheiro para colocar a troça na rua. Sem o Bacalhau, como fica a Quarta-feira de Cinzas?”, questiona e desabafa Fátima. Em tempo: acabado o desfile, o estandarte vira bacalhoada no leite de coco.

Veja também

Trump indica em discurso que considera disputar presidência em 2024
EUA

Trump indica em discurso que considera disputar presidência em 2024

Trump e toda a sua violência reanimaram a cultura, diz o crítico americano Hal Foster

Trump e toda a sua violência reanimaram a cultura, diz o crítico americano Hal Foster