Bairro da Ilha do Leite terá Zona 30 em outubro

Novo limite de velocidade em algumas ruas do bairro será de 30 km/h, mas CTTU afirma que não implantará radares para fiscalizar veículos

Zona 30 na Ilha do LeiteZona 30 na Ilha do Leite - Foto: Jose Britto/Folha de Pernambuco

Os motoristas que circulam no bairro da Ilha do Leite, no Centro do Recife, devem ficar atentos ao novo limite de velocidade que passará a ser de 30 km/h em algumas vias, a partir do início de outubro. Esta é uma das mudanças que fazem parte da nova Zona 30 da Capital - a primeira está no Bairro do Recife.

A intervenção viária da Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) faz parte de um conjunto de medidas para aumentar a segurança de pedestres e ciclistas na localidade, em uma área de 1.090 metros quadrados. Conhecida por abrigar polos médicos, a Ilha do Leite recebe diversas pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. Para garantir a diminuição da velocidade em algumas vias, a CTTU está criando refúgios de pedestres, que consistem em um redesenho nas interseções das vias, para ampliação das áreas seguras.

Leia também:
Obras na avenida Conde Boa Vista entram em nova fase
Obras na avenida Rui Barbosa atrasam; interdição segue até quinta-feira


De acordo com presidente da autarquia, Taciana Ferreira, está sendo implantada uma sinalização horizontal específica para que o condutor seja alertado sobre as mudanças. “Estamos inovando com um modelo diferenciado para promover uma redução de velocidade sem que os motoristas percebam e sem necessariamente ser por uma fiscalização eletrônica, mas pela própria geometria da via. Chamamos de intervenções de urbanismo tátil. Vimos isso em Fortaleza e estamos implantando o projeto piloto aqui”, comentou.

Ao todo, serão mais 24 travessias seguras, sendo 12 delas com o desenho do refúgio e as demais contempladas com faixas de pedestres elevadas, futuramente implantadas pela Emlurb. “Toda sinalização ainda está em execução, mas será finalizada até o dia 30 de setembro”, garantiu Taciana Ferreira, acrescentando que não há intenção de colocar radares na nova Zona 30. “O objetivo não é multar. É mudar comportamento. Por isso estamos investindo em sinalização diferenciada”, disse.

Segundo o professor e doutor na área de mobilidade urbana Oswaldo Lima Neto, em vários lugares do mundo os gestores estão apostando na redução de velocidade dos veículos como forma de diminuir os acidentes e reduzir a gravidade. “Isso é feito em benefício da vida humana, do respeito a uma maior segurança no trânsito”, comentou. Ele destaca que, em muitas ruas da Ilha do Leite, os carros já circulam devagar por conta dos engarrafamentos, então os motoristas não devem sentir tanto a diferença.

As mudanças têm agradado pedestres e ciclistas que circulam na região. Os estudantes Milena Regina, 13, e Felipe Francisco, 15, contam que alguns carros costumam passar em alta velocidade. “Acredito que a partir de agora os motoristas terão mais consciência e poderemos fazer travessias mais tranquilas”, disse Milena. O estudante Luiz Carlos de Oliveira, 18, também achou as novidades positivas. “Quem dirige carro já sabe que precisa respeitar pedestres e ciclistas, mas nem sempre isso acontece”, disse.

A primeira Zona 30 do Recife foi implantada em 2014, no Bairro do Recife. Atualmente, segundo a CTTU, existem três equipamentos de fiscalização eletrônica instalados na área. O quantitativo de infrações registradas por estes aparelhos por excesso de velocidade vem reduzindo ano a ano. Em 2015, foram 17.308. No ano passado esse número caiu para 11.789.

A presidente da CTTU conta que o projeto demorou a ser levado para outra região da Capital porque era preciso analisar áreas em potencial. “Além disso, a gente queria ver outras formas de sinalização que não fosse apenas colocar uma placa de velocidade e fiscalização eletrônica”, disse.

Região receberá ciclorrota e Zona Azul
Algumas vias dentro da nova Zona 30 passarão a contar com ciclorrotas, ou seja, espaços compartilhados entre veículos motorizados e ciclistas. Ao todo, a Rota Cicloviária Ilha do Leite terá 2,4 km de extensão. Com isso, o Recife passará a contar com 86,9 km extensão de malha cicloviária permanente. As novas rotas seguem diretrizes do Plano Diretor Cicloviário (PDC), construído e aprovado em parceria com o Governo do Estado, a Prefeitura do Recife e sociedade civil organizada.

As rotas farão parte da Rota Cicloviária Ilha do Leite, cuja conclusão está prevista para o fim de setembro e que terá início com a ciclofaixa na Rua Francisco Alves, a partir da Rua dos Coelhos, seguindo pela rua Praça Miguel de Cervantes e rua Antônio Gomes de Freitas, até se conectar com as ciclorrotas das ruas Senador José Henrique, Jornalista Fernando Chacon, Estado de Israel, Elvira Carreira de Oliveira e Frei Matias Teves.

As vagas de estacionamento em área pública já regulamentadas continuarão nos mesmos espaços, mas agora, para garantir a rotatividade, haverá a implantação de vagas de Zona Azul. O estacionamento rotativo entrará em vigor a partir do dia 23 de setembro, conforme a conclusão dos serviços de sinalização da área. Além disso, ontem foi implantada uma mudança de circulação na localidade. A rua Jornalista Trajano Chacon teve o sentido invertido no trecho entre as avenidas Frei Matias Teves e Governador Agamenon Magalhães.

Veja também

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País
Educação

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País

Letalidade da Covid-19 no Brasil está em torno de 3%
Coronavírus

Com quase 137 mil mortos pela Covid-19, Brasil tem taxa de letalidade em torno de 3%