PERNAMBUCO

Bancada evangélica pede suspensão do comprovante de vacinação ou teste para igrejas em Pernambuco

Grupo protocolou solicitação para que o trecho do decreto seja temporariamente suspenso

Reunião da bancada evangélicaReunião da bancada evangélica - Foto: Divulgação

Deputados estaduais integrantes da bancada evangélica da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) solicitaram ao Governo do Estado a suspensão de decreto que exige vacinação ou teste de Covid-19 para entrada em missas, cultos e demais celebrações religiosas com 300 pessoas ou mais no Estado.

Em reunião, nessa terça-feira (28), com o secretário executivo da Casa Civil do Estado, Eduardo Figueiredo, e com o procurador-geral de Justiça de Pernambuco, Paulo Augusto de Freitas Oliveira, o grupo protocolou solicitação para que o trecho do decreto seja temporariamente suspenso.

De acordo com representantes da bancada evangélica, o objetivo do pedido é promover um ampla discussão entre as Secretarias Estaduais de Desenvolvimento Econômico e de Saúde e as lideranças religiosas para a promoção de uma retomada com segurança e em sintonia com as necessidades das comunidades. 

Em vigor desde segunda-feira (27), o decreto assinado pelo governador Paulo Câmara prevê que igrejas e templos devem exigir comprovante de vacinação completa ou teste negativo para o acesso de fiéis em celebrações a partir de 300 pessoas. 

Os templos podem funcionar todos os dias da semana, inclusive aos sábados, domingos e feriados, das 5h à 1h. A capacidade máxima pode chegar a 2,5 mil presentes, segundo o Governo do Estado.

A regulamentação deixou parte da comunidade evangélica insatisfeita. 
 
Para a deputada Dulci Amorim (PT), essa pausa é importante. “O que nossa bancada quer é apenas garantir uma discussão mais ampla, para que as comunidades religiosas consigam cumprir as medidas sanitárias e evitar uma nova onda da Covid-19”, disse a parlamentar.

Segundo a deputada, as atividades religiosas vêm cumprindo os protocolos, como a exigência do uso de álcool em gel, máscara e distanciamento físico. 

"Sabemos que a vacina é sim indispensável, mas não podemos, por exemplo, exigir a realização de testes de Covid-19, que vai acabar pesando no bolso dos pernambucanos. Vivemos uma crise econômica grave. Então, para maioria das pessoas é impossível pagar, toda semana, para fazer um exame para ter o direito de exercer sua fé", completou Dulci.

Veja também

Mulher morre atropelada por ônibus em avenida da Zona Sul do Recife
Acidente

Mulher morre atropelada por ônibus em avenida da Zona Sul do Recife

Zelensky pede ao G7 que pressione para acabar com a guerra até o fim do ano
Internacional

Zelensky pede ao G7 que pressione para acabar com a guerra até o fim do ano