Banco Mundial prevê recessão na América Latina por Covid-19

A crise provocada pelos efeitos da pandemia foi alimentada pelos resultados escassos dos anos anteriores, os protestos em 2019 e a queda nos preços do petróleo

Prédio do Banco Mundial em Washigton, nos EUAPrédio do Banco Mundial em Washigton, nos EUA - Foto: Karen Bleier/AFP

O Banco Mundial previu neste domingo que a América Latina e o Caribe sofrerão uma contração de 4,6% no PIB em 2020 e que quase todos os países da região devem entrar em recessão. A crise provocada pelos efeitos da pandemia de COVID-19 foi alimentada pelos resultados escassos dos anos anteriores, os protestos em 2019 e a queda nos preços do petróleo.

"Um retorno de crescimento de 2,6% é esperado para 2021", disse o Banco Mundial em comunicado, no qual alertou para as contrações das principais economias da região: 5% no Brasil, 5,2% na Argentina e 6% no México. A Colômbia deve registrar queda no PIB de 2%, o Chile, de 3% e o Peru, 4,7%.

"Os governos da América Latina e do Caribe enfrentam o enorme desafio de proteger vidas e, ao mesmo tempo, limitar os impactos econômicos", disse Martín Rama, economista-chefe do Banco Mundial para a região da América Latina e do Caribe. Rama observou que isso exigirá "políticas direcionadas e consistentes em uma escala raramente vista antes". Na contramão, as previsões são de crescimento para a Guiana e a República Dominicana permanecerá estável.

Leia também:
Curado da Covid-19, Tom Hanks apresenta 'Saturday Night Live' de casa
Itália tem 431 novas mortes por coronavírus, o número mais baixo em três semanas
Boris Johnson, da despreocupação com o coronavírus à hospitalização


A crise é generalizada, atingindo países que tiveram um crescimento sólido nos anos anteriores, como o Panamá, que se contrairá 2%, e também economias como o Uruguai, que no ano passado teve um crescimento ligeiramente acima de zero e que em 2020 terá uma queda de 2,7% no PIB.

O Banco Mundial observou que, embora a região tenha experiência com crises financeiras anteriores, a epidemia do COVID-19 representa uma nova dimensão, pois as medidas necessárias para conter o vírus afetam as economias de forma abrupta.

A instituição com sede em Washington prevê que as demandas da China e dos países do G7 caiam acentuadamente, afetando os países que exportam matérias-primas na América do Sul e os que exportam serviços e bens industriais na América Central e no Caribe.

Na América Central, a Costa Rica, cuja economia gozava de boa saúde, deve contrair 3,3%; a Nicarágua vai aprofundar sua crise com uma queda de 4,3% no PIB; e Honduras - outro país em expansão - entrará em crise com uma retração de 2,3%.

Em El Salvador, o crescimento em 2019 será substituído por uma contração de 4,3%; o mesmo para a Guatemala, cujo PIB cairá 1,8%. A crise global que afetou o transporte também será um duro golpe para o turismo, que terá um impacto severo em alguns países do Caribe. A República Dominicana, país que nos últimos dois anos teve um crescimento de 7 e 5,1%, este ano terá expansão zero de sua economia.

O Banco observou que muitos países da América Latina e do Caribe enfrentam essa crise com limitações orçamentárias e que o alto grau de informalidade dificulta o atendimento a todas as famílias. "Muitos trabalhadores lutam pelo pão de cada dia e carecem de recursos para enfrentar o distanciamento necessário para conter a propagação da epidemia", alertou a instituição. O fato de a crise ser global também terá impacto nas remessas que são fundamentais em muitas economias pobres.

O Banco Mundial alertou que, diante desse cenário, "os governos deveriam suportar a maior parte das perdas". "A socialização dessas perdas poderia exigir a participação acionária de instituições financeiras e empregadores estratégicos, por meio de sua recapitalização". A instituição afirmou que esse apoio será fundamental para "preservar empregos e uma recuperação futura". No entanto, observou que esse processo deve ser transparente.

"Devem ser estabelecidos mecanismos para gerenciar ativos recém-adquiridos, com base nas melhores práticas de fundos soberanos e gestão de ativos", aconselhou a instituição.

Veja também

Miss Roraima Teen morre aos 21 anos em cirurgia de emergência
Fatalidade

Miss Roraima Teen morre aos 21 anos em cirurgia de emergência

Brasil confirma 559.607 mortes por Covid-19
Boletim nacional

Brasil confirma 559.607 mortes por Covid-19