São Paulo

Bar e restaurante fechar às 20h é convite para festas clandestinas, diz associação

O governo de São Paulo, sob gestão João Doria (PSDB), anunciou que todas as cidades do estado estarão sob um 'toque de restrição'

Bar lotado na zona norte de São PauloBar lotado na zona norte de São Paulo - Foto: Reprodução

O presidente da Associação de Bares e Restaurantes de São Paulo (Abrasel-SP), Percival Maricato, diz que o toque de recolher das 23h às 5h "não muda praticamente nada" para o setor e que o fechamento de bares às 20h, como atualmente é obrigatório, é um "convite à organização de festas clandestinas que o governo jamais vai conseguir combater".

O governo de São Paulo, sob gestão João Doria (PSDB), anunciou que todas as cidades do estado estarão sob um "toque de restrição" que começa a valer na próxima sexta (26) e vale até 14 de março, buscando coibir aglomerações das 23h às 5h. Entre os focos da medida está evitar a aglomeração de pessoas em bares e festas irregulares.

"Bar fechando às 20h é ridículo. É a hora que o pessoal começa a chegar. Achamos que, pelo menos dentro dessa fase mais ativa [da epidemia de Covid-19], deveria fechar até as 22h com mais uma hora para fechar conta, terminar um prato, sair com tranquilidade. E com mesas na calçada", afirma Percival, que também cobra o aumento para 60% de ocupação máxima dos estabelecimentos.
 


"Continuamos achando que estamos sendo injustiçados", segue o empresário. "Insistimos que restaurantes e bares não provocam pandemia quando obedecem regras, com mesas distantes, garçons paramentados e toda aquela velha discussão. Tirando esse aspecto, a gente apoia sim restrição à aglomeração. Inclusive essa restrição de circulação em horário noturno é razoável."

Veja também

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando
Fiscalização

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021
Pandemia

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021