Coronavírus

Barroso diz que plano de proteção a índios é 'genérico e vago' e pede novo planejamento

O ministro deu 20 dias para o governo entregar um novo planejamento

Ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSEMinistro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O ministro Luís Roberto Barroso rejeitou o Plano Geral de Enfrentamento e Monitoramento da Covid-19 para os Povos Indígenas apresentado pelo governo Jair Bolsonaro ao STF (Supremo Tribunal Federal).

O magistrado não homologou o plano sob o argumento de que o documento é "genérico e vago", o que inviabiliza a fiscalização de sua implementação, e deu 20 dias para o governo entregar um novo planejamento.

No início de agosto, o STF decidiu por unanimidade referendar a decisão individual dada por Barroso, em 8 de julho. O ministro havia determinado a obrigação do Executivo de adotar diversas medidas a fim de conter o avanço do coronavírus entre os índios.

Na ocasião, a corte mandou a União elaborar um planejamento para impedir a disseminação da doença na população indígena.

Essa foi a segunda versão do plano apresentada pelo governo. Barroso afirmou que o documento ainda não apresenta, com objetividade e detalhamento, as ações a serem implementadas, além de não ter metas, critérios, indicadores e cronograma de execução.

O ministro também disse que o governo deixou de tratar de um conjunto de matérias essenciais e que "tem-se encontrado enorme dificuldade de avançar" nesse tema. Ele também determinou a retirada do texto de termos que façam alusão ao turismo.

"Eventuais planos para a retomada da economia após a pandemia não são objeto da questão ora em debate, a menos que interfiram sobre a saúde dos povos indígenas", observou.

Na decisão, Barroso citou que a PGR (Procuradoria-Geral da República) e a Defensoria Pública da União também apontaram aspectos que não foram tratados pelo governo na produção do plano.

"A nova versão do Plano Geral para Enfrentamento e Monitoramento da COVID-19 para Povos Indígenas é insatisfatória e não atende aos elementos essenciais já reiteradamente apontados", disse Barroso.

O ministro ponderou, no entanto, que o governo tem agido de maneiras satisfatória em relação à proteção às tribos que vivem em áreas isoladas através do Plano de Barreiras Sanitárias.

"O compromisso assumido pela União quanto à instalação das barreiras sanitárias e sua concretização progressiva representam um passo fundamental para a proteção dos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato", ressaltou.

Barroso afirmou que "há pressa" para resolver o plano e criticou o Executivo. "A pandemia está em curso há aproximadamente sete meses e ainda não há um plano adequado para lidar com o problema, por meio do qual a União assuma compromissos mensuráveis e monitoráveis, situação que expõe a grave risco a saúde e a vida dos povos indígenas", frisou.

O ministro ressaltou que o plano não aborda "o isolamento de invasores dentro de terras indígenas", medida que foi determinada no julgamento do plenário do STF.

Além disso, o magistrado diz que o governo não definiu, por exemplo, estratégias de testagem de Covid-19 nas comunidades indígenas nem a periodicidade de entrega de cestas básicas e de facilitação de acesso à água potável, tampouco estabeleceu critérios de definição dos beneficiários.

Assim, o ministro determinou ao governo que, sob a coordenação do Ministério da Justiça e Segurança Pública, faça um novo plano.

O documento deverá tratar de três eixos, segundo Barroso: "medidas gerais destinadas a todos os povos indígenas; medidas específicas, voltadas ao atendimento e expansão dos serviços de saúde aos povos indígenas situados em terras indígenas não homologados; e medidas específicas destinadas ao isolamento de invasores e à contenção de novas invasões".

A discussão ocorre em ação movida pela Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) e seis partidos políticos de oposição, na qual a administração do presidente Jair Bolsonaro foi acusada de omissão.

Veja também

Expectativa de vida em Pernambuco sobe para 75 anos, mas fica abaixo da média nacional, diz IBGE
População

Expectativa de vida em Pernambuco sobe para 75 anos, mas fica abaixo da média nacional, diz IBGE

Pernambuco registra 553 novos casos e 16 mortes por Covid-19, nas últimas 24 horas
Coronavírus

Pernambuco registra 553 novos casos e 16 mortes por Covid-19, nas últimas 24 horas