Bibi Ferreira em pleno vigor aos 94 anos

Primeira-dama do teatro nacional trouxe novo espetáculo “4xBibi”

Invasão ZumbiInvasão Zumbi - Foto: Divulgação

Dos maiores nomes da dramaturgia nacional, Bibi Ferreira está no auge, mesmo tendo completado 75 anos de carreira. A multiartista, de 94 anos está no Recife para apresentar seu novo espetáculo, “4xBibi”, em que interpreta Edith Piaf, Frank Sinatra, Amália Rodrigues e Carlos Gardel, sexta (9) e sábado (10), no Teatro RioMar. Bibi recebeu a Imprensa, na tarde desta quinta (8), para uma coletiva no restaurante do hotel Ramada, onde está hospedada. O intuito era ouvi-la falar um pouco de como seria a sua apresentação nesses dois dias: “Ora, se eu falar como será o show vocês não irão. Não faz sentido eu adiantar nada. O que posso dizer é que estarei vestida de branco”, retrucou logo no início do bate-papo.

Com voz firme, mas mansa, pediu que os repórteres falassem bem alto. Sempre pedia que repetissem a mesma pergunta, e quase sempre fugia do tema. Pudera, tantos bons assuntos ela teria para conversar que aqueles 32 minutos de entrevista não dariam conta. Ela preferiu tentar responder com exatidão para que não falasse tanto: era um ritual falar “pouco”, beber água ou refrigerante em temperatura ambiente. Lá mesmo pediu um guaraná. Quando viu que os jornalistas não tinham sido servidos na mesma mesa (ainda), perguntou: “Cadê os refrigerantes deles? Vocês não vão servir? Tem que servir também, eles vão ficar com sede, oras”... Atenciosa, deu início às perguntas.

 

Bibi conta causos ao longo de sua vida

Foto: Bibi conta causos ao longo de sua vida
Créditos: Flavio Japa/FolhaPE

 

A primeira-dama do teatro nacional reclamou de Pernambuco. Disse que o Estado havia esquecido o Sul do País, mas o Sul nunca havia esquecido o Estado. Falou isso porque acredita que os atores pernambucanos não têm engajamento pelas bandas de lá. Inclusive, fez questão de relembrar o tempo em que visitava o Recife e que amava estar na presença de Valdemar de Oliveira e Dona Diná.

Imponente, respondeu às perguntas com certo tom de ironia, achando óbvias as questões, como por exemplo, quando perguntaram como ela se avaliava após 75 anos de carreira: “Me acho uma boa profissional”, levando todos a se entreolharem com tamanha humildade. Ainda sobre autoavaliação, disse que a fórmula do seu sucesso era o amor. “Nunca chego atrasada e, se atraso, coloco a culpa nos outros (risos). Nunca dei trabalho para os empresários, aliás, eles me adoram. Se eu tiver que estar a postos, eu estou. Esse é o segredo. Gostar de trabalhar com amor, com vigor”, ressaltou. E, quando falou de amor, não esqueceu de Piaf, interprete que lhe rende, até hoje, sucesso imenso. “Até hoje eu divido o palco com Piaf. Quando começo a cantar outras músicas, sempre tem aquele que grita ‘Canta Piaf’ (risos). E não tem jeito. Sempre canto mesmo porque ela é um gênio. Gênio está faltando hoje em dia. É uma coisa de Deus. Piaf era a melhor cantora, cantou o que quis, fez o que quis, casou com quem quis... Ela casou com um homem lindo.. E isso não me aconteceu ainda”, contou, caindo aos risos tímidos.

 

 

Bibi Ferreira reviveu histórias e ligações com o Teatro de Amadores de Pernambuco

Foto: Bibi Ferreira reviveu histórias e ligações com o Teatro de Amadores de Pernambuco
Créditos: Flavio Japa/FolhaPE

Sobre os seus ídolos, confessou que, apesar da grande admiração a Piaf, quem mais gostou de interpretar nos palcos foi ela mesma. “Bibi in Concert nº 1 talvez tenha sido o mais importante para mim”. Também respondeu brevemente sobre com o quê ainda se encanta quando está diante do público: “Ah, eu admiro o silêncio. Quando eu entro, depois das palmas da minha entrada, eu digo pra mim ‘Olha Bibi, olha o que vai fazer. Respira, respira duas ou três vezes, um pouco mais profundamente. Vê se lembra bem do raio da primeira letra da canção que você vai cantar’”, disse em forma de brincadeira, mas em tom sério. E foi com essa seriedade que encerrou sua entrevista, dando uma canja do que virá neste final de semana.

 

 

O RJ registrou

  

 

 

 

 

Veja também

DNA das populações da África é mapeado com riqueza inédita em novo estudo
Mundo

DNA das populações da África é mapeado com riqueza inédita em novo estudo

Aos 80 anos, sogra de Lula morre por complicações da Covid-19
Coronavírus

Aos 80 anos, sogra de Lula morre por complicações da Covid-19