mundo

Biden afirma "sólida" relação com o Reino Unido antes da reunião de Otan

Esta é a primeira reunião entre Biden e Charles III desde que o monarca foi coroado

Joe Biden e Rei CharlesJoe Biden e Rei Charles - Foto: Andrew Matthews / POOL / AFP

O presidente Joe Biden reafirmou nesta segunda-feira (10) a relação "sólida" entre Estados Unidos e Reino Unido durante uma escala diplomática em Londres a caminho da reunião de cúpula da Otan na Lituânia, que analisará, entre outras coisas, o apoio à Ucrânia.

Biden se encontrou aos 45 minutos com o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak em Downing Street. Eles tomaram chá no jardim e conversaram sobre diferentes temas, incluindo a invasão russa da Ucrânia, dois dias depois que Washington prometeu fornecer bombas de fragmentação a Kiev.

São armas muito ofensivas porque, ao dispersar pequenas cargas explosivas antes ou depois do impacto, podem causar danos graves, danos civis, e estão danificados em mais de uma centena de países, incluindo o Reino Unido.

"Temos muito o que falar. Acredito que estamos indo bem. Avançamos de forma positiva. Nossa relação é sólida como uma pedra", afirmou o presidente americano, antes de seguir para Windsor, cerca de 40 km a oeste de Londres, para se encontrar com o rei Carlos III.

A monarca, de 74 anos, recebeu no castelo centenário, onde participou de uma cerimônia de revista da guarda de honra real.

A agenda anterior ainda uma reunião de uma hora e meia com o rei sobre questões ambientais e climáticas, incluída como escrever de um fórum sobre o financiamento de projetos em países em desenvolvimento.

Foi a primeira reunião entre Biden e Charles III desde que o monarca, de 74 anos, foi coroado em maio, em uma cerimônia com dezenas de chefes de Estado, sem a presença do presidente americano.

Biden, de 80 anos, muito orgulhoso de suas raízes irlandesas, foi representado na coroação por sua esposa Jill. A decisão demorou, mas Washington insistiu que a ausência do presidente não foi um desprezo, e sim que seguiu a linha diplomática entre os dois países: nenhum presidente dos Estados Unidos se compara à coroação de um soberano britânico.

Negociação comercial e Irlanda
O governo britânico destacou que a visita de Biden "reflete uma relação sólida" entre os países.

O Executivo conservador de Sunak, no entanto, ainda não conseguiu concretizar o tão almejado acordo de livre comércio com os Estados Unidos que Londres esperava obter após o Brexit - que se tornou efetivo em 2021 - para aliviar a perda de vantagens comerciais com a União Europeia , até então o principal parceiro comercial do país.

Se os respectivos antecessores - Boris Johnson e Donald Trump - estavam decididos a concluir rapidamente o tratado, a chegada do democrata Biden à Casa Branca em 2021, e suas dúvidas sobre possíveis consequências negativas do Brexit para o frágil acordo de paz na Irlanda do Norte, freou como passageiro.

A questão norte-irlandesa foi possivelmente tratada na conversa entre Biden e Sunak. É "um tema sobre o qual o presidente fala regularmente com seu homólogo britânico", afirmou Amanda Sloat, principal assessora de Biden para a Europa.

Ucrânia e a extensão da Otan
O encontro entre Biden e Sunak deveria permitir que coordenassem suas posturas ante à cúpula com outros líderes da Otan, na terça e quarta na Lituânia.

A Ucrânia espera visualizar ali um "sinal claro" de que algum dia poderá se unir à Aliança Atlântica, nas palavras de seu presidente, Volodimir Zelensky.

Para isso, tanto ele como Biden aceitaram que isso não fosse controlado enquanto durasse a invasão russa, iniciada em fevereiro de 2022.

"Estaríamos em guerra com a Rússia, se este fosse o caso", afirmou Biden em sua chegada na noite de domingo a Londres, registrando que, segundo as regras da aliança, seus membros devem intervir se um deles for atacado.

Um responsável ocidental garantiu à AFP nesta segunda-feira, sob anonimato, que a Otan está disposto a levantar um importante obstáculo à adesão da Ucrânia, o Plano de Ação para a Adesão, como reconhecimento por seus "progressos". No entanto, o país deverá realizar mais reformas antes de sua integração, informou.

Para Zelensky, a proteção da Aliança Atlântica é crucial para dissuadir a Rússia de lançar novas ofensivas, e pede que uma organização liderada pelos Estados Unidos estabeleça um cronograma claro.

Após a Lituânia, Biden viajará para a Finlândia, país de fronteira com a Rússia que ingressou na Otan em 4 de abril.

Veja também

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29
COP29

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina
Argentina

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina

Newsletter