Guerra na Ucrânia

Biden viaja à Europa para reforçar união do Ocidente contra Rússia

Presidente participará de reunião com membros da Otan, do G7 e da União Europeia

Presidente Joe Biden Presidente Joe Biden  - Foto: Anna Moneymaker / Getty Imagens North America / Getty Images via AFP

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, chegou nesta quarta-feira (23) a Bruxelas, onde participará na quinta-feira de uma maratona de cúpulas com o objetivo de reforçar a unidade dos países ocidentais e consolidar as sanções contra a Rússia pela invasão da Ucrânia.

Na capital belga, o presidente americano participará inicialmente de uma cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), seguida de outra do G7 e finalmente uma com líderes da União Europeia (UE).

As três cúpulas, que serão realizadas consecutivamente na capital belga, têm agendas centradas na invasão russa da Ucrânia. Na sexta e no sábado, o presidente americano visitará a Polônia, país fronteiriço com a Ucrânia.

No voo de Washington, a bordo do avião presidencial Air Force One, o assessor de Segurança Naconal, Jake Sullivan, antecipou que os Estados Unidos vão anunciar na quinta-feira "um pacote de sanções contra figuras políticas", assim como "oligarcas" e "entidades" russas.

A UE, por sua vez, já aprovou sanções pesadas contra funcionários, bancos e magnatas russos, mas por enquanto essas medidas restritivas não se estendem ao setor energético, devido à dependência evidente da Europa dos combustíveis russos.

Na quinta-feira, o G7 poderia anunciar medidas especiais para evitar que a Rússia consiga escapar das sanções impostas por um número importante de países ocidentais.

Na Otan, Biden e os outros líderes vão discutir a mobilização de forças de combate adicionais em Bulgária, Hungria, Romênia e Eslováquia, como já fez em Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia.

Nesta quarta, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que a aliança está decidida a "fazer tudo o possível para apoiar a Ucrânia. Mas temos a responsabilidade de garantir que a guerra não se intensifique para além da Ucrânia e se torne um conflito entre Otan e Rússia".

Antes embarcar no Air Force One rumo a Bruxelas, Biden disse em Washington que a possibilidade de um ataque russo com armas químicas na Ucrânia era uma "ameaça real".

Na carta que enviou a líderes europeus para convidá-los à reunião em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse que a cúpula com Biden permitirá discutir "a atual agressão militar da Rússia contra a Ucrânia".

"A Rússia ataca cada vez mais a população civil e visa hospitais, escolas e refúgios. Estes crimes de guerra devem cessar de imediato", afirmou Michel em sua carta.

Neste cenário, um dos objetivos da agenda robusta de Biden em Bruxelas é consolidar a unidade entre os Estados Unidos e a UE.

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse a jornalistas que Biden tentará "reforçar a incrível unidade que construímos com nossos aliados e parceiros".

Após as três cúpulas de quinta-feira, Biden seguirá na sexta-feira para a Polônia, vizinha da Ucrânia e agora na linha de frente do que alguns chamam de a nova Guerra Fria. No sábado, ele se encontrará com o presidente polonês, Andrzej Duda.

China também na agenda
Embora as forças ucranianas armadas pelo Ocidente estejam resistindo com sucesso ao ataque russo, Sullivan mostrou-se contrário a qualquer expectativa que implique um fim rápido da guerra ou um recuo de Moscou.

Se o conflito se prolongar, a capacidade da Rússia de resistir a perdas militares e sanções econômicas dependerá em parte da posição de sua parceira, a China.

Pequim se recusou a condenar a guerra de Putin ou a endossar as sanções ocidentais. Até agora, o principal objetivo de Washington tem sido garantir que os chineses não interviessem ativamente do lado do Kremlin, seja resgatando a economia russa ou mesmo enviando armas. 

Biden "certamente consultará sobre um possível envolvimento chinês no conflito na Ucrânia enquanto estiver em Bruxelas e também na Otan", explicou Sullivan.

"Também fará isso quando se dirigir aos 27 líderes da União Europeia, porque em 1º de abril, a União Europeia terá uma cúpula com a China", explicou.

Veja também

Moradores fecham pista da av. Agamenon Magalhães após fio de alta tensão cair em rua da Zona Norte
Recife

Moradores fecham pista da av. Agamenon após fio de alta tensão cair em rua da Zona Norte

Índia proíbe plásticos de uso único para combater o desperdício
Meio Ambiente

Índia proíbe plásticos de uso único para combater o desperdício