ESTADOS UNIDOS

Biden diz que tecnologia embarcada em veículos elétricos chineses são uma ameaça à segurança dos EUA

O presidente norte-americano ordenou uma investigação sobre software automotivo que poderia rastrear motoristas dos EUA, parte de um esforço mais amplo para impedir importações da China

Joe BidenJoe Biden - Foto: Mandel Ngan/AFP

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, tomou medidas nesta quinta-feira para bloquear a entrada de veículos elétricos chineses no mercado automobilístico americano, dizendo que carros e caminhões chineses conectados à Internet representam riscos à segurança nacional porque seus sistemas operacionais podem enviar informações confidenciais a Pequim.

A ação imediata foi a abertura de uma investigação do Departamento de Comércio sobre ameaças à segurança, o que poderia levar a novas regulamentações ou restrições aos veículos chineses.

Mas funcionários do governo deixaram claro que este era o primeiro passo no que poderia ser uma ampla gama de respostas políticas destinadas a impedir que veículos elétricos chineses de baixo custo – fabricados na China ou montados por empresas chinesas em países como o México – inundassem o mercado dos EUA e levando potencialmente as montadoras nacionais à falência.

A China aumentou rapidamente a sua produção de veículos elétricos nos últimos anos, colocando-a em rota de colisão com os esforços de política industrial de Biden, que procuram ajudar os fabricantes de automóveis americanos a dominar esse mercado no país e no estrangeiro. Alguns de seus carros menores são vendidos por menos de US$ 11 mil cada – significativamente menos do que um veículo elétrico comparável fabricado nos EUA.

 

As ações do governo na quinta-feira ocorrem no momento em que o provável oponente de Biden em novembro, o ex-presidente Donald J. Trump, o critica por empurrar as montadoras para os veículos elétricos – e enquanto cada um dos candidatos tenta se apresentar como mais duro com a China.

As medidas resultaram de conversas com montadoras de Detroit, trabalhadores sindicalizados e E.V. gigante Tesla, que foi recentemente suplantada pela empresa chinesa BYD como maior vendedora mundial de carros elétricos.

“A China está determinada a dominar o futuro do mercado automobilístico, inclusive através do uso de práticas injustas”, disse Biden em um comunicado que acompanha o anúncio. “As políticas da China podem inundar o nosso mercado com os seus veículos, colocando riscos para a nossa segurança nacional. Não vou deixar isso acontecer sob minha supervisão.”

A ação de quinta-feira não impôs imediatamente novas barreiras aos veículos elétricos chineses, que já enfrentam tarifas elevadas e ainda não penetraram no crescente mercado americano de automóveis de energia limpa.

Sob a orientação de Biden, o Departamento de Comércio iniciou uma investigação sobre a ameaça da tecnologia incorporada nos veículos elétricos chineses. Isso inclui versões chinesas de softwares automotivos comuns, que, segundo funcionários do governo, poderiam rastrear onde os americanos dirigiam e carregavam seus veículos, ou até mesmo quais músicas ou podcasts ouviam na estrada.

Funcionários da administração observaram que os fabricantes de automóveis americanos que vendiam veículos a clientes na China foram essencialmente forçados pelas autoridades chinesas a utilizar software chinês nos seus veículos.

O anúncio foi o exemplo mais recente da ação de Biden para aumentar as restrições tecnológicas à China e deu continuidade a uma tendência bipartidária em direção a relações comerciais mais antagônicas entre as maiores economias do mundo. A investigação do Departamento de Comércio ordenada por Biden marca o primeiro uso de uma nova autoridade estabelecida sob uma ordem executiva emitida em 2019 por Trump.

Autoridades de Biden disseram que a investigação poderia resultar em novas restrições americanas a veículos que dependiam de software da China.

Os funcionários da administração estão a considerar outras medidas para impedir ainda mais as importações de veículos chineses, que já aumentaram nos mercados europeus, como resultado dos preços baixos, impulsionados em parte por custos laborais significativamente mais baixos. Isso poderia incluir o aumento de uma tarifa de 25% sobre os veículos chineses.

“Certamente continuaremos a analisar uma série de políticas para garantir que os nossos fabricantes de automóveis e os nossos trabalhadores do setor automóvel continuem a ser os mais competitivos do mundo”, disse Lael Brainard, que dirige o Conselho Econômico Nacional do presidente, numa entrevista.

O Departamento do Tesouro já propôs regras destinadas a limitar a capacidade da China de fornecer materiais para carros e caminhões que se qualificam para um crédito fiscal de veículos elétricos de 7.500 dólares incluído na lei climática assinada por Biden.

A investigação do Departamento de Comércio anunciada na quinta-feira surgiu de uma série de conversas que funcionários do governo tiveram com montadoras no outono passado, após o acordo de uma greve dos Trabalhadores Automobilísticos Unidos durante a qual Biden apoiou o sindicato e aderiu a um piquete. As montadoras contaram aos funcionários do governo sobre as restrições que enfrentaram nas vendas na China, inclusive de software.

Os assessores de Biden começaram a ficar preocupados com o que poderia acontecer se os Estados Unidos não impusessem restrições semelhantes ao software chinês, que, segundo autoridades do governo, apenas alguns carros nos Estados Unidos utilizam hoje.

A China está “inundando os mercados estrangeiros com os seus automóveis”, disse Brainard. "Muitos desses veículos podem conectar-se continuamente à nossa infraestrutura, potencialmente, aos smartphones dos motoristas, aos carros próximos. Então, eles estão coletando uma enorme quantidade de informações."

Numa teleconferência com repórteres, Gina M. Raimondo, secretária do Comércio, disse que era “assustador contemplar os riscos cibernéticos, riscos de espionagem, que estes representam”.

Brainard enfatizou que a ação de quinta-feira se limitou a questões de software. Mas ela acrescentou: “Também é muito importante para a nossa segurança econômica e a nossa segurança nacional ter uma indústria automóvel forte e vibrante nos EUA, com trabalhadores da indústria automóvel dos EUA”.

Veja também

Exército israelense anuncia que tomou controle do corredor entre Gaza e Egito
mundo

Exército israelense anuncia que tomou controle do corredor entre Gaza e Egito

Militares colombianos matam cinco dissidentes das Farc
mundo

Militares colombianos matam cinco dissidentes das Farc

Newsletter