Estados Unidos

Biden é pressionado a eliminar norma sanitária que permite expulsão de imigrantes

Joe Biden, presidente dos Estados UnidosJoe Biden, presidente dos Estados Unidos - Foto: CHIP SOMODEVILLA / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está sob pressão, inclusive dentro do seu partido, para eliminar a norma sanitária que permite que imigrantes sejam expulsos sob o pretexto da pandemia, agora que os casos de Covid-19 despencaram. 

No fim da semana passada, o Centros para o Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) decidiu que a norma sanitária conhecida como Título 42, que permite a expulsão de imigrantes, deixe de ser aplicada a menores desacompanhados, mas continue em vigor para adultos e famílias.

Em fevereiro, autoridades migratórias americanas interceptaram 164.973 pessoas que cruzaram a fronteira terrestre entre os Estados Unidos e o México, um aumento de 7% em relação a janeiro, revelou nesta terça-feira o Escritório de Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP) dos Estados Unidos. Desses, 91.513, ou 55%, eram elegíveis para serem expulsos pelo Título 42.

Quatro democratas proeminentes declararam-se decepcionados com a decisão do governo de manter o Título 42. Chuck Schumer, líder da maioria democrata no Senado, e Bob Menéndez, presidente da Comissão de Relações Exteriores da câmara alta, assim como os senadores Cory Booker e Alex Padilla, descreveram no último sábado como "um erro que famílias continuem sendo expulsas com filhos menores para lugares onde possam sofrer perseguição e tortura. É desconcertante que a agência (CDC) continue recomendando o uso generalizado dessa política draconiana na fronteira, contrariando os sinais contundentes de recuperação da pandemia”.

- Sombra republicana -

Joe Biden defende uma política de migratória "mais humana" e um caminho para a cidadania para milhões de imigrantes. Em seu discurso ao Congresso no começo do mês, ele voltou a pedir a aprovação da reforma migratória, mas sua relutância a levantar o Título 42 pode se dever a vários fatores.

“Os cruzamentos fronteiriços são um tema político importante para a base republicana e, portanto, para os políticos republicanos”, a poucos meses das eleições da metade de mandato, em novembro, nas quais, segundo pesquisas, o presidente democrata pode perder o controle do Congresso, explicou à AFP Jessica Bolter, analista do Migration Policy Institute (MPI). 

"Quando o governo levantar o Título 42, é muito provável que aumentem os cruzamentos fronteiriços, pelo menos temporariamente", acrescentou Jessica. O governo "pode estar hesitante em dar aos republicanos mais munição política", quando já é criticado nessa frente e sabe que é "muito provável que os estados liderados por republicanos contestem a rescisão" dessa norma nos tribunais, como fizeram com outras mudanças introduzidas pelo governo, destacou a especialista desse centro de estudos americano.

Jessica considera outra hipótese: a de que Biden queira estabelecer uma nova estratégia fronteiriça antes de suprimir a atual. "É provável que o governo queira implementar uma estrutura alternativa de gerenciamento de fronteiras, para mostrar que mantém o controle".

Veja também

Secretaria da Mulher lança projeto Jornada dos Núcleos de Estudos de Gênero em escolas do Estado
Educação

Secretaria da Mulher lança projeto Jornada dos Núcleos de Estudos de Gênero em escolas do Estado

Pernambuco registra, nesta sexta (1ª), três mortes e 2.961 novos casos de Covid-19
coronavírus

Pernambuco registra, nesta sexta (1ª), três mortes e 2.961 novos casos de Covid-19