Crise Internacional

Biden propõe ajuda de 33 bilhões à Ucrânia e mira oligarcas russos

Presidente também defendeu o confisco de bens de luxo de oligarcas russo

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden  - Foto: ANNA MONEYMAKER / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / GETTY IMAGES VIA AFP

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu ao Congresso, nesta quinta-feira (27), 33 bilhões de dólares para armar e apoiar a Ucrânia e disse que ceder perante Rússia não é uma opção para o Ocidente, enquanto a guerra entra no seu terceiro mês.

Em um discurso da Casa Branca, Biden também detalhou propostas de novas leis para permitir o uso de bens de luxo confiscados de oligarcas russos sob sanções sem precedentes para compensar a Ucrânia pela destruição causada pela agressão realizada pelo presidente russo, Vladimir Putin.

Biden reconheceu os altos custos do apoio americano à Ucrânia, mas afirmou que não há outra opção.

"O custo desta luta não é barato. Mas ceder à agressão será mais caro se permitirmos que aconteça", disse.

Como reflexo da magnitude da assistência americana, Biden garantiu que os Estados Unidos já forneceram à Ucrânia 10 sistemas de armas antitanque para cada tanque que a Rússia enviou ao país.

No entanto, negou as afirmações cada vez mais acaloradas de funcionários e meios estatais russos de que Moscou está lutando contra todo o Ocidente.

"Não estamos atacando a Rússia. Estamos ajudando a Ucrânia a se defender da ofensiva russa", afirmou Biden.

Ao classificar a retórica de Moscou sobre a possibilidade de uma guerra nuclear como um sinal de "desespero", Biden assegurou que "ninguém deveria fazer comentários neglicentes sobre o uso de armas nucleares ou a possibilidade de usá-las. É uma irresponsabilidade".

E depois que o gigante estatal russo do setor de gás, Gazprom, anunciou que cortaria o fornecimento para Bulgária e Polônia, membros da Otan e da União Europeia, Biden disse que os Estados Unidos impediriam a Rússia de minar as sanções e trabalhariam para fortalecer o fluxo de energia europeu.

"Não permitiremos que a Rússia intimide ou chantageie para diminuir estas sanções. No permitiremos que use seu petróleo e gás para evitar as consequências de sua agressão", sustentou.

Aprovação do Congresso
A maior parte do enorme pacote solicitado por Biden serão os "20 bilhões de dólares em assistência militar e de segurança", que permitirá que "armas e munições cheguem ao povo ucraniano", disse a jornalistas um alto funcionário americano. 

Outros 8,5 bilhões de dólares "ajudarão o governo da Ucrânia responder a crise imediata" e 3 bilhões de dólares serão destinados a assistência humanitária e enfrentar a alta mundial dos preços de alimento, dado que a Ucrânia é um importante exportador de trigo. 

O pacote também inclui financiamento para atender as perturbações econômicas nos Estados Unidos e em outros lugares, que vão desde nos alimentos até a disponibilidade de componentes importantes utilizados na fabricação de alta tecnologia. 

O Congresso deve aprovar a solicitação, e apesar dos republicanos e do Partido Democrata de Biden se declararem dispostos a seguir apoiando a Ucrânia, uma disputa sobre outro pedido de 22,5 bilhões de dólares em novos fundos para conter a pandemia de Covid, ameaça complicar o processo.

"Não me importa como farão isso, estou enviando os dois", disse Biden, alertando que os Estados Unidos também "não devem baixar a guarda" em sua luta contra a Covid-19. 

Oligarcas russos na mira
Em paralelo à assistência militar, Washington lidera a imposição de uma bateria de sanções ocidentais para isolar a Rússia e pressionar o presidente Vladimir Putin

Biden anunciou uma proposta para aumentar a pressão sobre  o círculo interno bilionário de Putin, com melhores procedimentos de confisco que permitem que os bens dos oligarcas sejam "vendidos" para "remediar os danos causados pela Rússia".

Até esta quinta-feira (28), os aliados da União Europeia congelaram mais de 30 bilhões de dólares em ativos russos, incluídos quase sete bilhões de dólares em bens de luxo pertencentes aos oligarcas, entre eles, iates, obras de arte, propriedades e helicópteros, disse o Executivo americano. 

Os Estados Unidos têm "sancionado e bloqueado embarcações e aeronaves no valor de mais de 1 bilhão de dólares, assim como congelado centenas de milhões de dólares em ativos pertencentes às elites russas em contas americanas", disse o comunicado.

Uma das últimas apreensões foi a de um super iate de 90 milhões de dólares de propriedade do multimilionário russo Víctor Vekselberg. 

O pacote legislativo proposto por Biden reforçaria também a pressão legal sobre os oligarcas russos.

Uma proposta é permitir a apreensão dos bens utilizados para driblar as sanções. Outra é ampliar o arsenal utilizado pelos procuradores dos EUA, duplicando a quantidade de tempo que é permitido realizar investigações de lavagem de dinheiro de cinco para 10 anos e aplicando leis anti-extorsão utilizadas para o crime organizado para a evasão de sanções. 

Veja também

Com tendência conservadora, a Suprema Corte divide os americanos
Estados Unidos

Com tendência conservadora, a Suprema Corte divide os americanos

Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta novo estudo
Coronavírus

Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, diz estudo