Bivar seria vice melhor do que Magno Malta

Bivar preside o PSL e está totalmente identificado com as teses do economista Paulo Guedes

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

A bancada evangélica que apoia Bolsonaro lançou uma campanha pelas redes sociais em favor do senador Magno Malta (PR-ES) para a vaga de vice. O senador é evangélico, polêmico e desbocado. E começou a ser apontado como vice no dia da filiação de Bolsonaro ao PSL. Uma claque evangélica o recebeu na Câmara Federal aos gritos de “vice, vice, vice”. Dia seguinte, ao ser questionado sobre isto, o senador respondeu: “A minha vida está nas mãos de Deus. Do meu futuro não sei. A única coisa que sei é que o futuro presidente será Bolsonaro, eu de vice ou não”. Por aí deu a entender que não faz dessa candidatura uma obsessão. Por isso talvez fosse mais produtivo para Bolsonaro pôr Luciano Bivar na vaga de vice. Bivar é deputado federal, preside o PSL, é um empresário bem sucedido, tem livros publicados sobre o liberalismo, é leve no trato com os adversários e está totalmente identificado com as teses do economista Paulo Guedes, que elabora o plano de governo do candidato. Bolsonaro está em segundo lugar nas pesquisas de opinião e não se deve afastar a hipótese de ser eleito. Sendo assim, não deveria entregar a vaga de vice a qualquer um, pois os homens são mortais. A única desvantagem para ele é que ficaria uma chapa “puro sangue” (PSL + PSL). Mas entre Magno Malta e Bivar, Bolsonaro, se tiver juízo, fará opção por este último.

Nervos à flor da pele
Lula teria notado em seus últimos contatos com Humberto Costa (PT) que o senador pernambucano está com os “nervos à flor da pele”. O motivo seria a proximidade das eleições. O senador está praticamente imobilizado em Pernambuco, pois nem se preparou para disputar uma vaga na Câmara Federal, nem sabe se disputará a reeleição na chapa da Frente Popular.

O conflito >
Já o ex-prefeito João Paulo (PT) gostaria de ser candidato a deputado estadual para ficar mais próximo das bases recifenses, mas Lula o pressiona para ser candidato a federal a fim de engrossar a bancada petista, que deverá encolher muito a partir de 2019.

Pela unidade > Diferentemente do que disse à coluna o deputado Aluísio Lessa (PSB), o vereador Antonio Henrique (PSB), o “Fiapo”, irmão do prefeito de Sertânia, Ângelo Ferreira, não irá apoiá-lo. Vai marchar, junto com o grupo do prefeito, com Diogo Moraes (PSB).

Três reforços > Em campanha para a reeleição à Câmara Federal, Ricardo Teobaldo (Podemos) conseguiu em Carpina o apoio do ex-prefeito Joaquim Lapa, do vice-prefeito Marcelo Pascoal (SD) e dos vereadores Edilson Casas (PPL), Preto do Ipsep (PSC) e Pedrinho da ambulância (PROS).

Prata da casa > Filiado ao PSB, o governador Ricardo Coutinho vai fazer na PB o que Eduardo Campos fez em PE em 2014: escolher como candidato à sua sucessão um dos seus secretários. O mais cotado é João Azevedo (Infra-estrutura), conhecido como “o secretário das obras”.

Sem isolamento > João Azevedo foi o responsável pelo cumprimento de uma das promessas feitas por Coutinho em 2010: fazer o acesso asfáltico a todos os 54 municípios paraibanos que viviam no isolamento. Seu braço direito foi o pernambucano Carlos Pereira (ex-DER-PE).

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres