Bloco das Virgens abre as inscrições

Completando 64 anos, agremiação continua julgando as melhores fantasias. Desfile será no dia 19

Concentração das Virgens está marcada para às 10h, na praça 12 de Março, em OlindaConcentração das Virgens está marcada para às 10h, na praça 12 de Março, em Olinda - Foto: Anderson Stevens/arquivo folha

Um dos blocos mais tradicionais do circuito carnavalesco pernambucano abriu suas inscrições na última quarta-feira (1). Realizando sua 64ª edição, as Virgens do Bairro Novo têm sua concentração marcada para às 10h do próximo dia 19, na praça 12 de Março, onde acontece também o julgamento das desfilantes em sete categorias, cinco delas com prêmios em dinheiro.

Organizadores do evento prometem cerca de dez atrações para animar os milhares de foliões que, por um dia, escondem sua masculinidade no armário para viver, com roupas, sapatos e maquiagens, a plenitude de sua porção mulher. A inscrição custa R$ 50 e dá direito a uma camisa do bloco, doze latas de cerveja e uma entrada no café da manhã oficial.

A história do bloco é marcada pela irreverência. Nos primórdios, ele se resumia a uma pelada na praia do Bairro Novo, na qual os participantes apareciam vestidos de mulher para jogar bola e chocar os banhistas. A brincadeira se consolidou, arrastando milhões de foliões pelas ruas da cidade monumento, se tornando uma das prévias mais famosas do carnaval pernambucano e, acima de tudo, expondo a face feminina - e desinibida - de homens de todas as idades e segmentos sociais.

Um deles é Heuber Pessoa de Melo, que hoje tem 49 anos. Advogado trabalhista há mais de duas décadas, ele cresceu no Bairro Novo, e é primo de um dos fundadores das Virgens. Ainda criança, já nutria o desejo de participar da brincadeira. “Pequeno, eu pegava roupa das primas, das irmãs, para brincar na frente de casa, porque não tinha idade”.

De 1983 em diante, desfilou com inúmeras fantasias. “A primeira foi de cigana. Mas já saí, na Guerra do Golfo, da favorita de Saddan (Husein, presidente do Iraque), de Tiazinha, de Whiskas, a comida dos gatos...”, relembra. A maior dificuldade? “Encontrar um sapato 42/43”, revela. Hoje, ele é um dos diretores do bloco. Gosta de cuidar dos desfilantes. “A atração das Virgens não é os trios elétricos, é o público. É muita fantasia criativa, cada uma é uma atração diferente”, conclui.

Veja também

Universidades brasileiras integram o ranking das melhores da América Latina
Educa Mais

Universidades brasileiras integram o ranking das melhores da América Latina

Um ano após alta hospitalar por Covid-19, 60% dos pacientes sentem fraqueza, fadiga e falta de ar
Pandemia

Um ano após alta hospitalar por Covid-19, 60% dos pacientes sentem fraqueza, fadiga e falta de ar