Notícias

Boatos de troca de tiros na Unicap são desmentidos pela universidade

Homens abordaram o segurança da instituição, pediram a arma do mesmo, mas não tiveram sucesso

UnicapUnicap - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Na tarde desta quinta-feira (30), diferentes relatos circularam nas redes sociais sobre um tiroteio dentro da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). A instituição desmentiu o boato, em nota oficial, esclarecendo o ocorrido. Na nota, a universidade confirma a tentativa de roubo a um dos seus seguranças.

"Tem um cara armado no bloco G", foi uma das mensagens espalhadas pelo whatsapp, Facebook e Twitter. A Unicap, no entanto, negou a ocorrência de tiroteio no campus e o boato de que houvessem feridos. Homens abordaram o segurança da instituição, pediram a arma do mesmo, mas não tiveram sucesso. O vigilante trabalhava desarmado.

Leia também:
Manifestantes voltam às ruas por mais verbas para universidades
Unicap concede título de Doutor Honoris Causa a Dom Fernando
PF poderá investigar boato sobre cancelamento do Enem, diz Jungmann


Leia a nota na íntegra:

Em virtude de falsas informações que circularam nas redes sociais na tarde desta quinta-feira (30), a Universidade Católica de Pernambuco nega a ocorrência de tiroteio no campus ou no seu entorno. Um vigilante foi abordado na Rua Almeida Cunha, nas proximidades da entrada do bloco G, por homens ainda não identificados que desceram de um carro e pediram a arma. Como o vigilante trabalhava desarmado, a tentativa foi frustrada. Ninguém se feriu nem houve agressão física. Os homens que fizeram a abordagem fugiram. A Unicap comunicou o ocorrido às autoridades públicas competentes. O clima no campus é de absoluta normalidade e as aulas no turno da noite estão mantidas.

Veja também

Milhares protestam contra excesso de turistas em Mallorca, Espanha
Espanha

Milhares protestam contra excesso de turistas em Mallorca, Espanha

Deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné deixou centenas de mortos, calculam autoridades
Papua-Nova Guiné

Deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné deixou centenas de mortos, calculam autoridades

Newsletter