Boizinhos mantêm tradição de encontro em Olinda

Evento acontece há 18 anos por iniciativa de Dona Dá, moradora da rua da Boa Hora que entrega troféus a cada agremiação que passa diante da casa dela

Encontro de boizinhos na rua da Boa HoraEncontro de boizinhos na rua da Boa Hora - Foto: Gustavo Glória / Folha de Pernambuco

A alegria voltou à rua da Boa Hora, no sítio histórico de Olinda. Nesta quarta-feira (14). Jodecilda da Silva, a famosa Dona Dá, retomou a tradição interrompida em 2017 por causa da violência, e diversos boizinhos de Carnaval, em filas reverentes, se alternaram em frente à casa dessa senhora que há 35 anos resolveu “animar” a ladeira onde mora, convidando agremiações e oferecendo troféus e acolhida aos foliões. No caso dos bois de Carnaval, a tradição é mais recente: tem “apenas” 18 anos. Hoje eles vêm espontaneamente participar do encontro. 

No ano passado, a família de Dona Dá anunciou, através de uma nota, que não iria mais realizar a festa. A tristeza foi tanta que ela adoeceu e chegou a colocar um marca-passo, logo após o Carnaval. Agora, prestes a completar 80 anos, dançando em frente ao número 207 da rua da Boa Hora e com um sorriso esfuziante no rosto, Dona Dá foi só felicidade. “Adoro receber as pessoas com vinho, água, frutas, caninha e a minha alegria”, resumiu à reportagem da Folha de Pernambuco.

Logo cedo, ela mobilizou a família toda e foi para a Ceasa, onde comprou bebida e vários quilos de frutas. “A gente não tem patrocínio, faz por amor, mas recebe esse amor de volta”, contou a sobrinha Janaína Airola, enquanto passava com bandejas para servir aos integrantes dos grupos, muitos dos quais vêm de fora da região metropolitana e sentem fome e sede em meio à folia.

Leia também:
Bumba meu boi: participação feminina muito além de Catirina
Casa da Rabeca abriga o tradicional Encontro de Cavalo Marinho 

Não se sabe afirmar com precisão quando os bois surgiram no Brasil, mas há variantes desse brinquedo nas diversas regiões (como bumba-meu-boi, boi-de-mamão e cavalo-marinho, entre outros), reunindo traços europeus, africanos e indígenas. Os bois de Carnaval, também chamados de boizinhos, trazem diversos ritmos, personagens e elementos, e são uma tradição em Pernambuco. Graças à iniciativa de Dona Dá, a Quarta-feira de Cinzas passou a concentrar as apresentações desses grupos, que se confraternizam, saúdam sua musa e lançam desafios amistosos uns aos outros.

De grupos tradicionais como o Tira Teima, de 1922, que vem de Caruaru especialmente saudar Dona Dá, a outros mais recentes como o Boi Marinho, de 2000, comandado pelo músico Helder Vasconcelos, a diversidade de ritmos e coloridos impressiona. “Boa noite, Dona Dá, Boi Marinho chegou agora pra manter a tradição da rua da Boa Hora”, cantou Helder ao receber o troféu e a bênção da dona da festa.

Democrática, Dona Dá premia a todos, sem distinção, saudando as crianças do boi infantil Brazinha com o mesmo entusiasmo com que rememora os nomes dos amigos de vários anos, alguns dos quais não mais em funcionamento: Boi do Cupim, Boizinho Alinhado, Boi da Gurita Seca, Boi Meia Noite, Boi Nelore, Boi da Mata, Boi Dendê, Boi Cara de Sapo... Ano a ano, os grupos surgem, prosseguem, se dissolvem, e ela continua firme em seu propósito de acolher e reconhecer a beleza de nossa cultura.

Veja também

Astrônomos detectam planeta errante do porte da Terra vagando pela Via Láctea
Universo

Astrônomos detectam planeta errante do porte da Terra vagando pela Via Láctea

Eleição nos EUA em meio à gripe espanhola teve medo de máscara e luta por voto feminino
EUA

Eleição nos EUA em meio à gripe espanhola teve medo de máscara e luta por voto feminino