Bolsonaro tem 42,6%; Haddad 27,8%; e Ciro 11,5% dos votos válidos, aponta pesquisa CNT/MDA

Pesquisa foi realizada entre quinta (4) e sexta-feira (5), com 2.002 entrevistados em 137 municípios de 25 estados

Presidenciável Jair BolsonaroPresidenciável Jair Bolsonaro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Pesquisa CNT/MDA, divulgada neste sábado (6) pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), confirma a tendência de crescimento de Jair Bolsonaro (PSL) e de um segundo turno entre o capitão reformado e Fernando Haddad (PT).

Bolsonaro apareceu com 42,6% das intenções de votos válidos na pesquisa estimulada e Haddad, com 27,8%. Ciro Gomes (PDT) registrou 11,5% e Geraldo Alckmin (PDT) 6,7%.

Leia também:
Ipespe/FolhaPE: Fernando Haddad é o líder entre os pernambucanos


Na sequência, vêm João Amoêdo (NOVO) com 2,7%, Marina Silva (Rede) com 2,6%, Alvaro Dias (Podemos) com 2%, Henrique Meirelles (MDB) com 1,9%, Cabo Daciolo (Patriota), 1,5%. Os demais candidatos não chegaram a 1%. Brancos e nulos são 7,8% e os indecisos, 6%.

A pesquisa foi realizada entre quinta (4) e sexta-feira (5), com 2.002 entrevistados em 137 municípios de 25 estados. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos. A sondagem está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sob o número BR-04819/2018.

Bolsonaro cresceu 7,3 pontos, considerando os votos válidos, em relação à pesquisa anterior do instituto, de feita entre 27 e 28 de setembro. Haddad perdeu 3,7 pontos, em comparação com a sondagem anterior.

Em simulação de segundo turno, Jair Bolsonaro venceria Fernando Haddad por 45,2% a 38,7%. O capitão reformado também derrotaria Alckmin, por 43,3% a 33,5%, mas aparece em situação de empate técnico num confronto com Ciro Gomes: 41,9% para Bolsonaro e 41,2% para o ex-governador cearense.

Segundo a pesquisa CNT/MDA, a rejeição de Haddad ultrapassou a de Bolsonaro. O petista não teria o boto de 53,2% dos eleitores e Bolsonaro, de 50,2%.

Veja também

AstraZeneca nega ter rejeitado reunião com UE sobre vacinas
RESPOSTA

AstraZeneca nega ter rejeitado reunião com UE sobre vacinas

Impactos do megavazamento de dados podem durar anos, diz especialista
Proteção de dados

Impactos do megavazamento de dados podem durar anos, diz especialista