Brasil: Assassinato de Marielle, atirador de igreja e denúncias contra João de Deus

Ano também foi marcado por tumultos e fugas em presídios e pelo desabamento de um prédio no Centro de São Paulo

Quatro pessoas foram mortas a tiros na catedralQuatro pessoas foram mortas a tiros na catedral - Foto: Denny Cesare/Folhapress

O assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes no Rio de Janeiro foi a notícia de mais impacto nacional este ano no Brasil. Diante da
fatalidade, que expôs a fragilidade da segurança pública do país, o Brasil chorou pelo assassinato da parlamentar negra, de origem humilde e que lutava pelas minorias. Em diversas regiões do País, protestos cobraram a conclusão do inquérito com a prisão dos culpados, que até hoje permanecem desconhecidos. O caso chamou a atenção internacional, com diversos países e organismos cobrando o desfecho das investigações. O episódio ocorreu um mês antes de o Governo Federal intervir na cidade militarmente, como não ocorria há décadas. Ainda na área da segurança pública, houve motim com fuga nas penitenciárias de Goiânia e do Pará. Com o país agonizando com o problema, em junho, o Planalto criou o SUS da segurança para centralizar as ações das polícias do país para conter a violência. Mas o ano não foi só de violência. Em maio, os brasileiros ficaram perplexos com a queda de um prédio no coração de São Paulo onde viviam moradores de rua. 2018 ainda teve a prisão do doutor Bumbum no Rio após ser considerado culpado da morte da bancária Lilian Calixto. Ele teria realizado um procedimento estético em sua casa, numa cobertura na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, levando a paciente à morte dias depois. Após a decretação da prisão, Dr. Bumbum passou alguns dias escondidos até negociar sua rendição. O país também viveu conflitos bilaterais com os países vizinhos. Seja na migração de venezuelanos para o estado de Roraima como o fim da parceria com o governo cubano em relação ao Mais Médico. Para finalizar o ano, dois fatos, com certeza, marcaram a vida dos brasileiros: o atirador que entrou numa igreja em São Paulo e matou vários fiéis e a prisão do médium João de Deus, acusado de violar sexualmente seuas seguidoras durante sessões espirituais.


Veja as outras retrospectivas:
Política: 2018 foi o desfecho de um ciclo de crises sistemáticas
Planeta: Incêndio na Califórnia, garotos da Tailândia e submarino da Argentina
Cotidiano: queda do Globocop e mortes de Denirson Paes e Raynéia

JANEIRO

Motim e fuga em presídio de Goiânia

O ano de 2018 começou com a crise no sistema prisional em Goiânia, localizado no Centro-Oeste do País. Um tumulto na Colônia Agro-industrial da cidade, que resultou na fuga de 233 prisioneiros, levou nove detentos a óbito de forma trágica como decaptação e deixou um saldo de 14 feridos. O motim ocorreu no dia 1 de janeiro e teria sido ocasionado por rixa de facções nas dependências do presídio. Na ocasião, 29 foram recapturados e 109 prisioneiros retornaram voluntariamente.

Presídio de Goiânia

Foto: Reprodução/TV Anhanguera

FEVEREIRO
Intervenção militar no Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, diante da escalada da criminalidade com arrastões e o tráfico agindo fortemente nos morros da cidade maravilhosa, o Governo Federal, por meio do presidente Michel Temer, determinou intervenção militar até o final do ano. O início da operação federal foi no dia 16, sendo a primeira intervenção federal desde a constituição de 1988. Coube ao general Walter Souza Braga Netto a responsabilidade de comandar a ação, que levou centenas de soldados do exército as principais comunidades da cidade.

Cerco à favela Kelson's, na Penha, zona norte do Rio, no dia 20 de fevereiro | Foto: Danilo Verpa/Folhapress

Cerco à favela Kelson's, na Penha, zona norte do Rio, no dia 20 de fevereiro | Foto: Danilo Verpa/Folhapress

MARÇO
Assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes

Um mês após a intervenção, a vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, e o seu motorista Anderson Gomes foram assassinados a tiros no dia 14 de março, por volta das 21h30, no bairro do Estácio, região central do Rio de Janeiro. Mulher, lésbica e oriunda da periferia, Marielle foi a quinta candidata mais votada da cidade, em 2016, com mais de 46 mil votos.

Leia também:
Seis meses depois: quem matou Marielle?
Anistia aponta incoerências na investigação
Contexto político: uma luta por Marielle


Marielle Franco | Foto: Reprodução/Facebook

ABRIL
Fuga em penitenciária do Pará

Uma tentativa de fuga em massa no Centro Penitenciário de Recuperação do Pará deixou 22 detentos mortos. O fato teria ocorrido porque criminosos tentaram uma investida na unidade carcerária com intuito de resgatar aliados. Fortemente armados e até utilizando explosivos, os criminosos entraram em confronto com os policiais. Do total de mortos, 16 eram presos e cinco criminosos. Na investida, um agente prisional também morreu, e quatro ficaram feridos —um deles em estado grave.

Presídio do Pará | Foto: Divulgação

MAIO
Prédio cai no centro de São Paulo

O dia 1º de maio foi marcado por uma grande tragédia. No coração do centro de São Paulo, um prédio de 24 andares caiu deixando mortos e algumas pessoas desaparecidas. O incidente ocorreu após partes do imóvel, onde residiam moradores de rua, pegar fogo. A fatalidade se iniciou por volta das 1h30, quando as chamas tomaram conta do estabelecimento, que veio ao chão em poucos minutos. O que chamou a atenção foi a imagem captada em que um rapaz cai do prédio quando o mesmo começa a cair.

Prédio desaba no Centro de São Paulo após incêndio | Foto: Nelson Almeida/AFP

Prédio desaba no Centro de São Paulo após incêndio | Foto: Nelson Almeida/AFP

JUNHO
Sus da segurança pública é criado

Com a onda de violência invadindo diversas partes do País, o ministro da segurança pública, Raul Jungmann, lança o SUS da segurança. O foco principal da medida é integrar as ações das polícias (federal, estadual e municipal) e a unificação dos dados criminais. A medida veio também como resposta as ações criminosas que ocorreram neste mês no Rio Grande do Norte, quando facções, sendo uma ligada ao PCC, levaram medo aos moradores da região metropolitana de Natal.

Michel Temer e Raul Jungmann na assinatura do contrato | Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil


JULHO
Doutor Bumbum é preso no Rio

O mês de junho marcou a prisão do médico Denis Cesar Barros Furtado, mais conhecido como Dr. Bumbum; e mãe dele, Maria de Fátima Furtado. O médico foi acusado pela morte da bancária Lilian Calixto. Ele teria realizado um procedimento estético em sua casa, numa cobertura na Barra da Tijuca, zona Oeste do Rio, levando a paciente a óbito dias depois. Após a decretação da prisão, Dr. Bumbum passou alguns dias escondidos até negociar sua rendição.

Acervo do Dr. Bumbum | Foto: Divulgação

AGOSTO
Venezuelanos invadem Pacaraima

Com o sistema econômico da Venezuela em crise - com alto índice de inflação e comidas faltando nos supermercados, venezuelanos deixam o País com destino ao Brasil. Pela fronteira com o estado de Roraima, os imigrantes invadem a cidade de Pacaraíma e passam a dormir pelas ruas da cidade fronteiriça. O fato abre uma crise entre o governo estadual e federal por um parte querer endurecer as regras para a entrada no País. Com o tensionamento da situação, no final do mês, os venezuelanos entraram em confronto brasileiros, sendo que alguns deles chegaram a ser expulsos da cidade.

Moradores de Pacaraima queimam pneus e pertences de imigrantes venezuelanos | Foto: Isac Dantes/AFP

Moradores de Pacaraima queimam pneus e pertences de imigrantes venezuelanos | Foto: Isac Dantes/AFP

NOVEMBRO
Cuba retira médicos do Brasil

Diante da possibilidade do presidente eleito Jair Bolsonaro engrossar as regras do Mais Médicos sugerindo o exame do Revalida, o governo cubano decidiu retirar médicos do país. A decisão partiu após os cubanos discordarem da ideia do presidente eleito. O país caribenho enviavá profissionais para atuar no Sistema Único de Saúde desde 2013. Na época, o governo da então presidente Dilma Rousseff havia criado o programa para atender regiões carentes sem cobertura médica.

Embarque de médicos cubanos no aeroporto de Brasília | Foto: Karina Zambrana/Publicas

Embarque de médicos cubanos no aeroporto de Brasília | Foto: Karina Zambrana/Publicas

DEZEMBRO
Atirador mata cinco pessoas em igreja

Atirador Euller Fernando Grandolpho entra na Catedral Metropolitana, em Campinas, São Paulo, e sai atirando nos fiéis. Cinco pessoas morrem e outras três ficaram feridas. Em seguida o atirador cometeu suicídio. O ataque ocorreu no dia 11 de dezembro. De acordo com as investigações, o principal motivo da ação seria a discordância de Euller aos dogmas da igreja apesar de já ter pertencido a religião.

Homem entra atirando na Catedral de Campinas | Foto: Denny Cesare/Folhapress

Médium João de Deus é acusado estupros

O ano chega ao seu final com um grande escândalo envolvendo o mundo espírita. Médium famoso no Brasil, João de Deus, é acusado de abusos sexuais durante as suas consultas espíritas no seu centro em Abadiânia, em Goiás. Mais de 300 mulheres denunciam espírita, que termina sendo preso e indiciado por violência sexual mediante fraude, previsto no artigo 215 do Código Penal. A pena prevista é de dois a seis anos de cadeia em regime fechado. 

João de Deus é escoltado por apoiadores ao chegar em Abadiânia | Foto: Evaristo Sá/AFP

João de Deus é escoltado por apoiadores ao chegar em Abadiânia | Foto: Evaristo Sá/AFP

Veja também

Primeiro lote com 62.250 doses da vacina da Janssen chega a Pernambuco
Coronavírus

Primeiro lote com 62.250 doses da vacina da Janssen chega a Pernambuco

Taxa de ocupação de UTIs em Pernambuco fica abaixo de 80% pela primeira vez em sete meses
Coronavírus

Taxa de ocupação de UTIs em Pernambuco fica abaixo de 80% pela primeira vez em sete meses