Brasil começa voando baixo no Parapan de Lima

Com enxurrada de pódios, País dispara na liderança do quadro geral de medalhas após dois dias de disputas

Phelipe Rodrigues confirmou o favoritismo nos 100 m livrePhelipe Rodrigues confirmou o favoritismo nos 100 m livre - Foto: Ale Cabral/CPB

O Brasil começou voando baixo no primeiro fim de semana dos Jogos Paparan-Americanos de Lima-2019. Bastaram apenas dois dias de competições para o País disparar em primeiro lugar no quadro geral de medalhas. O tênis de mesa, com 19 medalhas nas disputas individuais, e o judô, que subiu 11 vezes ao pódio, foram os principais destaques. Até o fechamento desta edição, a delegação nacional liderava o ranking com 72 medalhas, sendo 25 de ouro, 34 de prata e 38 de bronze. A segunda posição era ocupada pelo México - 16 ouros, 11 pratas e 7 bronzes -, seguido dos Estados Unidos com 38 pódios (12 títulos, 14 vices e 12 terceiros lugares).

Leia também:
Com Brasil protagonista, Parapan inicia em Lima
Pernambucanos prontos para manter hegemonia no Parapan

Dos 13 atletas que o Brasil levou para os Jogos Parapan-Americanos de Lima, 11 conquistaram medalhas após os dois dias de disputas no judô. Na manhã deste domingo foram realizadas as últimas lutas, nas categorias mais pesadas, e o primeiro ouro veio com Lúcia Teixeira (até 57kg). Em sua quarta participação em Parapans, a paulistana de 38 anos conseguiu chegar ao pódio continental pela primeira vez. O segundo ouro do domingo no dojô foi da também paulistana Meg Emmerich. No masculino, o sul-matogrossense Luan Pimentel atropelou os quatro rivais que cruzaram seu caminho na jornada até o inédito ouro Parapan-Americano. A contagem de ouros brasileiros no judô teve início com a paulista Giulia Pereira, da categoria até 47 quilos.

Os brasileiros também fizeram bonito na abertura das disputas da natação. Destaque para o multimedalhista Daniel Dias, que conquistou a sua primeira medalha no evento ao chegar em primeiro nos 50 m costas, na classe S5. Este foi o 28º ouro dele na história dos Jogos. Nos 100 m (classe S13), Carlos Farrenberg (1º) e Douglas Rocha Matera (2º) anotaram uma dobradinha no pódio. Outra estrela da delegação, o pernambucano Phelipe Rodrigues confirmou o favoritismo nos 100 m livre da classe S10 e faturou o título.

No tiro esportivo, modalidade estreante no Parapan, o gaúcho Geraldo von Rosenthal chegou ao pódio pela segunda vez em dois dias. Depois do ouro na pistola mista de 50m SH1 no sábado, ele garantiu a prata nos 25m pistola SH1 neste domingo.

O sábado (24), primeiro dia de disputas em Lima, também rendeu grandes alegrias ao Brasil. Um dos esportes que mais brilhou foi o tênis de mesa, que contribuiu com 19 medalhas (cinco de ouro) e conseguiu cinco vagas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio. Os títulos vieram nas classes SM7 (Paulo Salmin), SF4 (Joyce Oliveira), SF8-10 (Danielle Rauen), SM8 (Luiz Filipe Manara) e SM10 (Carlos Carbinatti). Pela classe S9, Lucas Carvalho foi o primeiro pernambucano a conquistar medalha neste Parapan. Ele faturou bronze depois de parar nas semifinais diante do norte-americano Tahl Leibovitz. Outro atleta do Estado a medalhar foi Sandro Varello, campeão no lançamento do dardo F55, com direito a recorde no evento, neste domingo. Ele cravou 31m30

No arremesso de peso, o paulista Thiago Paulino entrou para a história do estádio de atletismo da Videna (Vila Deportiva Nacional), ao ser o primeiro atleta a quebrar um recorde mundial da arena. Ele estabeleceu a melhor marca na prova da classe F57, que era dele próprio (15m11). O arremesso de 15m26 lhe rendeu o lugar mais alto do pódio, seguido de outro brasileiro, Claudiney Batista, que registrou 11m55. Minutos mais tarde, outra brasileira aumentou a lista de recordistas mundiais do estádio de atletismo da Videna. Elizabeth Rodrigues foi a melhor no lançamento do disco da F57. A atleta natural de Santos (SP) venceu o lançamento de disco F53 com a marca de 16m67. 

Veja também

Procon interdita campo onde ocorria partida de futebol society no Recife
Desrespeito ao protocolo

Procon interdita campo onde ocorria partida de futebol society no Recife

UFMG: pesquisa mostra aprofundamento de desigualdades na infância
Estudo

UFMG: pesquisa mostra aprofundamento de desigualdades na infância