Brasil e Índia assinam 15 acordos bilaterais

O Brasil já assinou acordos nesse modelo com Angola, Chile, Colômbia, Emirados Árabes Unidos, México, Moçambique e Peru, entre outros

Bolsonaro e Modi são alinhados ideologicamente –nacionalistas de direita– e criticados na mídia internacionalBolsonaro e Modi são alinhados ideologicamente –nacionalistas de direita– e criticados na mídia internacional - Foto: Alan Santos/PR

Leia também

• Novo marco do Saneamento poderá favorecer pequenos municípios de Pernambuco

• Olimpíada ainda tem ingressos à venda para público brasileiro

Chamando repetidamente o presidente Jair Bolsonaro de "meu amigo", o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, ressaltou que Índia e Brasil têm "ideologia e valores comuns", e anunciou a assinatura de 15 acordos bilaterais –segundo o líder brasileiro, um recorde.

"Numa viagem internacional, não tínhamos notícia de tantos acordos, e bons acordos, serem assinados", discursou Bolsonaro após encontro bilateral com Modi, no segundo dia de sua visita oficial à Índia.

Leia também:
Convite da Índia a Bolsonaro exibe desejo de fortalecer laços
Bolsonaro vai a templo hindu e come arroz e macarrão à bolonhesa em 1º dia na Índia


Ele agradeceu pelo "carinho" da recepção: "Ainda faltam dois dias para eu ir embora da índia e já estou sentindo saudades".

Bolsonaro e Modi são alinhados ideologicamente –nacionalistas de direita– e criticados na mídia internacional.

"A parceria estratégica entre Índia e Brasil se baseia em nossa ideologia e valores comuns, apesar da distância geográfica", disse Modi. "Sendo duas grandes democracias e países em desenvolvimento, há uma profunda semelhança entre as visões de Índia e Brasil sobre importantes questões globais e multilaterais, entre elas o grave problema do terrorismo e a questão do meio ambiente. Nossa perspectiva sobre os atuais desafios que o mundo enfrenta é muito semelhante."

O principal acordo assinado é o de cooperação e facilitação de investimentos (ACFI), cujo objetivo é dar mais segurança jurídica e incentivar investimentos. O investidor estrangeiro passará a ter um "ombudsman" na Camex (Câmara do Comércio Exterior), a quem pode recorrer para prevenir conflitos ou mediar disputas.

O investidor brasileiro também terá um mecanismo semelhante na Índia. O tratado segue um novo modelo que exclui a cláusula investidor-Estado, que previa que os Estados poderiam ser acionados em arbitragem internacional pelas empresas investidoras.

O Brasil já assinou acordos nesse modelo com Angola, Chi- le, Colômbia, Emirados Árabes Unidos, México, Moçambique e Peru, entre outros.

Hoje, há US$ 6 bilhões (R$ 25 bilhões) em investimentos indianos no Brasil, e apenas US$ 1 bilhão (R$ 4,2 bilhões) de aportes brasileiros na Índia, segundo o governo indiano.

Também foram anunciados dois acordos que são demandas antigas do setor privado brasileiro. Um é o de Previdência, que permite aos executivos que o tempo em que trabalham expatriados seja contado para sua aposentadoria, que elimina a dupla contribuição previdenciária.

O outro é uma revisão do acordo de eliminação de bitributação Brasil-Índia, válido desde 1992, que deve ter suas alíquotas atualizadas.

Também foi celebrado memorando de entendimento sobre cooperação de bioenergia, que tem como objetivo aumentar a produção e uso do etanol no mercado indiano, o que pode aliviar as distorções causadas pelos subsídios do governo da Índia ao açúcar.

A ideia é que mais países passem a produzir etanol, para que o produto se torne uma commodity, ampliando o mercado, ao mesmo tempo em que reduz a grande produção indiana de açúcar, que distorce preços internacionais.

O Brasil, Austrália e Guatemala pediram abertura de painel (investigação) na OMC (Organização Mundial do Comércio) questionando os subsídios do governo indiano aos produtores de açúcar.

Modi teria pedido a Bolsonaro que revisse o contencioso. O brasileiro disse que pediu ao chanceler Ernesto Araújo que verifique a possibilidade de o Brasil rever sua posição –o que é difícil de ocorrer, segundo a Folha apurou.

Modi também abordou a possibilidade de produção de carros flex na Índia, o que abriria um grande mercado para tecnologia brasileira. O governo indiano passará a exigir uma mistura de 10% de etanol nos combustíveis a partir de 2022 e 20% a partir de 2030.

Também foram assinados acordos para cooperação em investigações criminais, intercâmbio cultural, exploração de óelo e gás, de recursos minerais, segurança cibernética, intercâmbio de material genético de gado leiteiro, medicina ayurvédica e homeopatia, além de parceria entre a Apex (agência de promoção) e a Invest-India.

Os indianos pressionaram até o último minuto para que Bolsonaro anunciasse a isenção de vistos para cidadãos do país entrarem no Brasil, mas, como antecipou a Folha, o anúncio acabou não saindo, apesar das promessas feitas na China e na cúpula dos Brics.

Embora Bolsonaro tenha anunciado no Twitter que o comércio com a Índia poderá passar a US$ 50 bilhões até 2022, creditando o número a Modi, a declaração oficial da visita fala apenas em "meta realista de US$ 15 bilhões".

Em 2019, o fluxo de comércio entre os dois países foi de US$ 7 bilhões, ou seja, teria de aumentar sete vezes para chegar à estimativa de Bolsonaro.

Segundo uma fonte, o valor de US$ 50 bilhões foi mencionado nas conversas das autoridades indianas e de Modi com Bolsonaro, mas referia-se a vários anos, e não a 2022.

Veja também

AstraZeneca nega ter rejeitado reunião com UE sobre vacinas
RESPOSTA

AstraZeneca nega ter rejeitado reunião com UE sobre vacinas

Impactos do megavazamento de dados podem durar anos, diz especialista
Proteção de dados

Impactos do megavazamento de dados podem durar anos, diz especialista