Pisa 2022

Brasil está entre países com mais estudantes que se sentem solitários na escola

Relatório divulgado nesta terça-feira (5) detalha sentimento de pertencimento dos alunos que participaram do exame às instituições de ensino do país

Alunos contra o bullyingAlunos contra o bullying - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Além de avaliar competências em Matemática, Leitura e Ciências, o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês) dimensiona, nos diferentes países, a exposição ao bullying e o sentimento de solidão no ambiente escolar entre estudantes na faixa dos 15 anos de idade, foco do levantamento. A edição de 2022, divulgada nesta terça-feira, aponta que, no Brasil, embora a maioria dos entrevistados no exame tenha afirmado se sentir parte da escola (76%) e ter facilidade para fazer amizades (70%), 27% relataram se sentir solitários, o quinto maior percentual entre as 81 economias participantes do levantamento. Em 2018, última edição do Pisa, esse índice era de 23%.

O contigente de estudantes que se sentem solitários na escola no Brasil ficou no ano passado, numericamente, atrás apenas do contabilizado nas Filipinas (28% se sentem solitários), Turquia (28%) e, por alguns décimos, em El Salvador e no Chile (ambos com 27%). A média é de 16% entre os países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que faz a avaliação.

Os resultados mostram ainda que 11% dos alunos entrevistados no país relataram sofrer bullying (intimidação sistemática) com frequência na escola. Nos países da OCDE , o contigente é de 8%. Já o percentual de meninas que relatam ser alvo de bullying no Brasil algumas vezes no mês soma 22%, equanto, entre os meninos, 26% afirmam passar pela mesma situação. Nos países da OCDE, os percentuais são 20% e 21%, respectivamente.

Ainda segundo a avaliação do Pisa, 19% dos estudantes brasileiros disseram se sentir "deixados de lado" ou como estranhos nas instituições de ensino, mesmo percentual dos que não se sentem satisfeitos com suas vidas.

Nesse tópico, o percentual é o mesmo da média de países da OCDE, mas porque nos países mais ricos ele vem subindo ano a ano. Nesse conjunto de economias, os insatisfeitos com suas vidas passaram de 11%, em 2015, para 16% em 2018 e somaram 18% em 2022.

No caso do Brasil, mais de 14 mil alunos fizeram a prova do Pisa em 606 escolas de 420 municípios, nos 26 estados e no Distrito Federal, em 2022. A avaliação aponta que a aprendizagem dos estudantes brasileiros se manteve baixa e estável desde 2009.

Competências socio-emocionais como saída
Gerente-executiva de advocacy do instituto Ayrton Senna, Beatriz Alquéres lembra que o contexto de violência e desafios como o bullying e o sentimento de não pertencimento ao ambiente escolar impactam a aprendizagem. O relatório do Pisa ressalta que o desempenho dos estudantes em matemática melhorou, por exemplo, em sistemas educacionais em que o bullying diminuiu. Da mesma forma, alerta que alunos que estão sozinhos provavelmente não se destacarão em uma sala de aula, enquanto aqueles que se sentem mais pertencentes à comunidade escolar tendem a se sentir mais seguros e menos expostos ao bullying.

A pesquisadora aponta que o problema pode ser enfrentado com o desenvolvimento de competências socio-emocionais, habilidades que envolvem, por exemplo, como os estudantes organizam o tempo, seu engajamento com os colegas, capacidade de ter empatia, resiliência emocial e abertura para o novo. Essas competências já compõem hoje, no Brasil, a Base Nacional Curricular Comum, mas ainda demandam políticas para serem implementadas no país. Uma oportunidade para fazer esse debate, diz, é o projeto de lei com mudanças no Novo Ensino Médio que tramita no Congresso.

"Essas competências fazem parte de uma abordagem de educação integral, que deve ser garantida a todos os estudantes, e são as que mais influenciam na interação no momento de aprender. Elas já norteiam a base curricular, mas sua implementação precisa ser priorizada com políticas estruturadas. A gente precisa criar tempo na escola para isso ser trabalhado, não digo como disciplina extra, mas como competências que devem ser trabalhadas junto com as disciplinas tradicionais. A matematica, por exemplo, pode trabalhar a resiliência e autogestão" explica Beatriz Alquéres.

Veja também

Advogado de 77 anos mata eletricista no bairro de Parnamirim, na Zona Norte do Recife
Homicídio

Advogado de 77 anos mata eletricista no bairro de Parnamirim, na Zona Norte do Recife

'Quem vai me chamar de mãe agora?', diz palestina que perdeu bebês gêmeos em bombardeio em Gaza
GUERRA NO ORIENTE MÉDIO

'Quem vai me chamar de mãe agora?', diz palestina que perdeu bebês gêmeos em bombardeio em Gaza