Brasil registra 338 novas mortes por coronavírus nas últimas 24h

Segundo o Ministério da Saúde, o número total de óbitos é de 4.543

Testes em esquema 'drive thru'Testes em esquema 'drive thru' - Foto: AL BELLO / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / GETTY

O Brasil registrou 338 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 horas e agora tem um total de 4.543 óbitos, segundo informou o Ministério da Saúde nesta segunda (27).

O número voltou a ficar acima de 300 novas mortes diárias -o recorde desde o início da pandemia foi batido na quinta (23), com 407 óbitos, e os balanços de sexta e sábado apontaram mais de 300 mortes cada. No domingo, foram 189 novos óbitos, mas o próprio ministério já disse que os números do fim de semana podem ser menores por causa da redução da equipes.

Ao todo, são 66.501 casos confirmados -no dia anterior, o Brasil passou da marca de 60 mil casos, com 61.888 no total.

Leia também:
Só 15% dos médicos brasileiros se dizem capazes de lidar com coronavírus, aponta pesquisa
Saiba onde o uso de máscaras é obrigatório no Brasil


O número real, porém, deve ser maior devido à subnotificação e aos exames que ainda aguardam resultado.

São Paulo, o estado mais populoso do país, segue com o maior número de registros, com 21.696 casos confirmados. Na sequência aparecem Rio de Janeiro, com 7.944, e o Ceará, com 6.726.

São Paulo também lidera em número de mortes registradas. São 1.825 no total. O Rio de Janeiro registrou 677 óbitos em decorrência da Covid e, Pernambuco, 450.

O ministro da Saúde, Nelson Teich, disse que a pasta fará uma parceria com o IBGE para definir qual é a amostra da população que deve ser alvo de testes no país.

Segundo ele, a ideia é chegar a uma estimativa de pessoas que têm imunidade contra o novo coronavírus.

"O entendimento desse percentual é fundamental não só para entender o presente, mas possíveis ondas como acontece em outras infecções virais, como foi com a gripe espanhola. O percentual de imunidade da sociedade vai definir o risco de ter outras ondas", disse.

Membros da pasta voltaram a frisar que não é possível ter testes para toda a população.

Nos últimos dias, a pasta tem citado a intenção de ampliar a testagem também para casos leves registrados entre idosos, pessoas com doenças crônicas e população economicamente ativa.

"Mas isso vai depender do recebimento dos testes", disse o secretário de vigilância em saúde, Wanderson Oliveira. Segundo ele, a previsão da pasta é ter 46 milhões de testes até setembro. Ele não detalhou o cronograma completo da entrega de todos os exames.

Na primeira coletiva técnica após a posse do novo ministro, o ministério buscou apresentar dados que mostram cenários diferentes da epidemia no país e rebater críticas sobre subnotificação de mortes pela Covid-19.

Em um dos casos, a pasta apresentou dados de incidência, parâmetro que compreende o total de casos pela população, distribuídos em mapa, mostrando que o impacto é maior em algumas regiões, caso de Manaus -sem apresentar os índices completos por estado, como vinha acontecendo anteriormente, tampouco classificá-los em parâmetros de alerta.

Anteriormente, estados com maior incidência de casos de Covid-19 eram classificados como em situação de emergência, por exemplo. Os demais entravam como atenção e alerta.

A pasta também deu destaque a um gráfico que mostra a evolução da doença no Brasil em relação a outros países após cem casos confirmados.

"Podemos observar que o Brasil está com número inferior aos demais países", afirmou Oliveira. Especialistas, no entanto, têm apontado que a baixa testagem de casos no país inviabiliza comparações.

Ao divulgar os dados, o ministro negou que a apresentação seja uma tentativa de minimizar o impacto da epidemia. "Vamos ter uma apresentação técnica", disse.
Segundo Oliveira, 86% das mortes registradas no sistema já tiveram o diagnóstico concluído.

Por outro lado, o balanço do perfil de mortes no país voltou a ser divulgado.

Dados de análise de 3.909 mortes das 4.543 confirmadas mostram que 69% delas foram de pessoas acima de 60 anos. Cerca de 67% tinham registro de ao menos um fator de risco, como doenças prévias, caso de cardiopatias e diabetes.

O ministério também apresentou dados que apontam uma diferença de 257 mortes a mais nos registros feitos por cartórios em comparação com o sistema usado pela pasta. Para Oliveira, isso indica que a subnotificação é baixa.

Ele afirmou que os sistemas atualmente estão "muito próximos", mas que outras medidas vão ser implementadas para aumentar a exatidão dos números.

Segundo o secretário, o momento de pico da epidemia deve variar conforme a região e o histórico de maior transmissão de vírus respiratórios. Ele evitou dar uma previsão única para o país.

Atualmente, 2.213 municípios não têm nenhum registro de síndrome respiratória aguda grave ou casos confirmados de coronavírus, de acordo com o ministério.

"Isso não quer dizer que não tenha que fazer nenhuma medida. Ele pode e deve investir em higienização e medidas de educação em saúde, mas esses municípios podem atuar de maneira diferenciada em relação a quem tem mais casos", disse Oliveira.

Após receber críticas por não ter encontrado secretários municipais e estaduais de saúde nos últimos dias, conforme revelou o Painel, Teich disse que os últimos dias foram usados "para definir os próximos passos" e que a pasta terá um "trabalho intenso" com estados e municípios nesta semana.

Segundo o ministro, a pasta deve analisar iniciativas de outros países para definir ações. Ele não detalhou medidas nem apresentou novas propostas.

Teich voltou a frisar a intenção de rever recomendações sobre isolamento, mas disse que a pasta não tomará nenhuma medida "intempestiva" em relação a uma possível mudança nas recomendações para isolamento no país.

"Ninguém vai incentivar medidas que restrinjam a contenção sem informação adequada. O que vamos é buscar a informação necessária para tomar decisões", disse.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Assassinatos de albinos cresceram na pandemia, afirma especialista da ONU
Mundo

Assassinatos de albinos cresceram na pandemia, afirma especialista da ONU

Itapissuma amplia vacinação para pessoas sem comorbidade a partir dos 27 anos
Covid-19

Itapissuma amplia vacinação para pessoas sem comorbidade a partir dos 27 anos