23ª Parada do Orgulho LGBT reúne milhares em São Paulo

Parada tem trios comandados por shows de artistas como Iza, Mc Pocahontas, Luísa Sonza, Fantine, Lexa e da drag queen Gloria Groove

Parada do Orgulho LGBT em São PauloParada do Orgulho LGBT em São Paulo - Foto: Miguel Schincariol/AFP

"Vote 24! Chapa Eva e Adão, é viadão!, diz a drag Mona Alisa, 21, em seus primeiros cinco minutos na avenida Paulista, em São Paulo, o trocadilho seguido de uma gargalhada barítona. Ela deu largada em sua "campanha eleitoral" às 10h deste domingo (23), quando a avenida começava a encher para a 23ª edição da Parada Gay paulista.

O evento acontece numa "encruzilhada histórica", segundo Mona. Por um lado, a comunidade LGBT+ "está aterrorizada com esta família", diz em referência ao clã Bolsonaro. Para ela, a presidência de Jair Bolsonaro fortaleceu um rebote ultraconservador contra o grupo. Mas nem tudo está perdido, continua. Ela lembra que um dos maiores pleitos LGBT foi enfim atendido: a homofobia e a transfobia entraram no rol dos crimes de racismo após decisão do STF (Supremo Tribunal Federal).

Leia também:
Supremo decide criminalizar a homofobia como forma de racismo
A homofobia destruiu os sonhos de Jefferson Cruz

Magali, 60, foi à Parada para acompanhar os dois filhos. Quando eles, primeiro o caçula e depois o mais velho, revelaram que eram gays, ela admite: morreu de medo. "O mundo ainda não vai ser fácil pra eles. Na nossa cidade o pessoal até sabe que eles são [homossexuais], ficam dizendo que tudo bem, desde que não comecem com 'boiolagem'. Acho triste." Eles vieram do interior paulista, e os meninos, de 16 e 17 anos, pela primeira vez usavam maquiagem para passear na rua. Até aqui, no máximo, batom só se fosse em festinhas fechadas.

Ninguém da família conhecia a revolta de Stonewall, tema desta edição. Há 50 anos, LGBTs de Nova York protestaram contra violentas batidas policiais realizadas num bar da cidade, o Stonewall Inn. Na época, todos os estados americanos consideravam ilegais relações entre pessoas do mesmo sexo. "Ah, tipo o Brasil de hoje, pelo menos na prática", disse o filho mais novo de Magali. "Para algumas pessoas, parece que ser gay é criminoso."

A parada tem trios comandados por shows de artistas como Iza, Mc Pocahontas, Luísa Sonza, Fantine, Lexa e da drag queen Gloria Groove, entre outras. "A gente resiste, existe, insiste. E arrasa", afirma Mona Alisa, abrindo o leque nas cores do arco-íris. "Deu até calor."

Veja também

Rafael Colombo deixa quadro na CNN Brasil por divergências com Alexandre Garcia
Jornalismo

Rafael Colombo deixa quadro na CNN Brasil por divergências com Alexandre Garcia

Quina de São João terá prêmio de R$ 190 milhões
Loterias

Quina de São João terá prêmio de R$ 190 milhões