Ação do Bope mata um na Rocinha; nove morreram no local desde sábado

Policiais do Bope faziam patrulhamento pela localidade conhecida como 199 quando “entraram em confronto com criminosos armados”

Batalhão de Operações Especiais (BOPE) do Rio de JaneiroBatalhão de Operações Especiais (BOPE) do Rio de Janeiro - Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

Uma ação do Batalhão de Operações Especiais (Bope) na Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, deixou mais um morto na manhã desta segunda-feira (26). O homem, suspeito de envolvimento com o tráfico, foi a nona morte na comunidade desde sábado.

Segundo informações da Policia Militar, policiais do Bope faziam patrulhamento pela localidade conhecida como 199 quando “entraram em confronto com criminosos armados”. No confronto, um homem foi ferido a bala e levado ainda com vida para o Hospital Miguel Couto, mas morreu ao dar entrada na unidade hospitalar. Segundo a PM, o homem portava um um fuzil, que foi apreendido.

Leia também:
Adolescente morre atingido por tiro na Rocinha, onde Bope faz operação
Confronto entre Bope e criminosos deixa dois mortos e dois feridos em Ipojuca


Oito mortes
No sábado (24), o Batalhão de Choque foi surpreendido por pessoas armadas e teve de reagir, segundo a PM, levando à morte de seis pessoas. Moradores relataram que as vítimas tinham se rendido mas ainda assim, foram mortas. Mais tarde, no mesmo dia, a PM comunicou que outros dois corpos foram entregues à Delegacia de Homicídios, que investiga as mortes.

Segundo a nota da PM, a ação contínua na Rocinha, desde setembro do ano passado, levou à prisão de 105 suspeitos e à morte de 48. No período, de acordo com a PM, 22 menores foram apreendidos , dois policiais foram mortos em confronto e oito ficaram feridos.

Houve ainda a morte de uma turista espanhola pela própria polícia, que alegou que o veículo em que ela estava furou o bloqueio policial. Um morador também foi morto e outros 10 ficaram feridos. Foram apreendidos no período 39 fuzis, 3 submetralhadoras, 6 espingardas calibre 12, 65 pistolas, 71 granadas e mais de duas toneladas de drogas.

Veja também

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde
Brasil

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU
EM EVENTO NO RECIFE

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU