Acesso de jovens ao ensino médio fica estagnado desde 2007, aponta IBGE

Já a presença de crianças de 4 e 5 anos na escola cresceu nos últimos oito anos

fraude na redefraude na rede - Foto: Divulgação

Enquanto o Brasil experimentou significativo crescimento na quantidade de crianças de 4 a 5 anos na escola nos últimos oito anos, o cenário não se repetiu entre adolescentes de 15 e 17 anos.

Em meio à discussão sobre a reforma do ensino médio, dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) divulgados nesta sexta-feira (25) mostram que o acesso a frequência escolar nesse segmento específico no país está praticamente estagnado desde 2007.

Segundo a pesquisa, 85% dos jovens de 15 a 17 anos de idade estavam na escola em 2015. Em 2007, quando houve a reforma do ensino brasileiro, com a adoção da nona série e a extinção do CA na educação básica, o percentual de crianças nessa com essa idade na escola era de 82,1%.

Essa faixa etária corresponde aos jovens que, em tese, deveriam estar no ensino médio, que é o segmento da educação formal em que há o maior nível de evasão escolar. Muitos jovens optam por trabalhar ao invés de continuar na escola.

Em 2006, o governo fez uma intervenção na educação pública. Determinou a inclusão de mais um ano no ensino fundamental obrigatório. Foi extinto o CA, que passou a ser a primeira série do fundamental. Pela Constituição, até aquele momento, apenas o ensino fundamental (antigo primário) era obrigatório.

Em 2013, outra mudança: o ensino infantil passa também a ser obrigatório. Crianças têm de ser matriculadas na escola a partir dos 4 anos de idade.

As duas medidas fizeram crescer a presença da faixa etária mais nova na escola. Em 2015, 84,3% das crianças de 4 a 5 anos estavam na escola. Esse percentual em 2007 era de 70%.

A Pnad mostrou ainda que o ingresso de jovens que estudaram em escola pública na universidade ainda é marginal. Dos jovens de mais de 25 anos que estudaram em escola pública, apenas 25,3% tinham ensino superior completo em 2015.

Escolaridade média

A pesquisa mostrou ainda que a escolaridade média do brasileiro é ainda muito baixa, ainda que tenha havido avanços nos últimos anos.

Segundo o IBGE, 56,1% dos brasileiros acima de 25 anos estavam integravam a faixa de escolaridade que vai até o ensino médio incompleto, em 2015.

Apenas 36,3% da população têm o ensino médio completo, de acordo com a pesquisa. Pessoas com superior incompleto correspondem a 3,8% da população adulta. Com superior completo, o percentual cresce para 13,5%.

Em 2015, de acordo com o IBGE, o tempo médio de estudo do brasileiro era 7,8 anos. Isso significa menos do que o fundamental, que demanda nove anos de estudos. Houve avanço em relação a 2004, quando o tempo médio de estudo do brasileiro era de 6,5 anos.

Veja também

Maioria das mulheres negras não exerce trabalho remunerado, aponta estudo
Trabalho

Maioria das mulheres negras não exerce trabalho remunerado, aponta estudo

Intenção de consumo das famílias cresce pelo segundo mês consecutivo
Consumo

Intenção de consumo das famílias cresce pelo segundo mês consecutivo