Ações integradas resultaram na redução de homicídios, aponta Moro

Em termos absolutos, a maior queda no número de homicídios foi registrada na Região Nordeste, onde o total de vítimas diminuiu de 13.010 para 9.450

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio MoroMinistro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro - Foto: José Cruz/Agência Brasil

Mais de 23 mil pessoas perderam a vida no Brasil, entre janeiro e agosto deste ano, vítimas de crimes violentos. Ainda que elevado, o total de 23.383 homicídios representa uma queda na comparação com o mesmo período de 2018, quando foram registrados 30.067 ocorrências.

"São 6.684 pessoas que não perderam suas vidas", disse o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, ao participar, nesta quinta-feira (12), da divulgação de ações realizadas por sua pasta ao longo deste ano. Durante o anúncio, o ministro Sergio Moro comentou que os índices de criminalidade vêm caindo em todo o país desde o ano passado, fruto da maior integração entre as forças de segurança federal, estaduais e municipais.

"Tivemos no Brasil uma epidemia de homicídios, revelando uma situação de descalabro na segurança pública que tem sido melhorada. Melhorou relativamente em 2018, e está melhorando mais significativamente em 2019", disse o ministro.

Em termos absolutos, a maior queda no número de homicídios foi registrada na Região Nordeste, onde o total de vítimas diminuiu de 13.010 para 9.450 – ou seja, 3.560 menos mortes violentas quando comparados os dois períodos. Na Região Sudeste foram registrados 1.305 casos a menos – foram 7.464 homicídios entre janeiro e agosto de 2018, contra 6.159 nos mesmos meses de 2019. Na Região Norte, a diferença foi de 780 casos (3.946 ocorrências contra 3.166). Em seguida vem o Sul, com uma redução de 754 mortes (passando de 3.320 para 2.566) e Centro-Oeste, com 285 vítimas a menos no último período (de 2.327 para 2042).

Leia também:
Moro diz que Bolsonaro pode vetar trechos de pacote anticrime
Apesar de desidratação de projeto anticrime, Moro diz que texto traz medidas 'muito positivas'


“Temos observado, no país inteiro, uma queda expressiva nos principais indicadores criminais. Evidente que a segurança pública não é responsabilidade exclusiva do governo federal. Ao contrário. Boa parte das responsabilidade cabe aos estados e, em alguma parcela, aos municípios. Então, esta melhoria não pode ser atribuída exclusivamente a um ente ou outro. Ela é fruto de uma atuação conjunta”, disse Moro antes de destacar a contribuição federal.

“Como esta queda tem sido expressiva e verificada praticamente no país inteiro, não é nenhuma ousadia afirmar que parte dela está relacionada às ações do governo central”, acrescentou o ministro, lembrando que especialistas e organizações que atuam no âmbito da segurança pública já vinham apontando para a redução dos índices de criminalidade.

Os dados divulgados nesta quinta-feira (12) também indicam uma redução de 36,4% nos roubos à instituições financeiras; 23% nos latrocínios (roubo seguido de morte); 22,9% no roubo de cargas; 21,7% no roubo de veículos, além da redução de outros ilícitos. "Isto tudo é resultado de uma ação das forças de segurança estaduais, municipais, mas, certamente, o trabalho do Ministério da Justiça e das forças de segurança a ele vinculadas tem feito a diferença", insistiu Moro.

Veja também

Hospital das Clínicas da UFPE, no Recife, recebe mais dez pacientes com Covid-19 oriundos de Manaus
Coronavírus

Hospital das Clínicas da UFPE, no Recife, recebe mais dez pacientes com Covid-19 oriundos de Manaus

Governo é favorável à importação privada de vacinas, diz Bolsonaro
Vacina

Governo é favorável à importação privada de vacinas, diz Bolsonaro