Acusado de matar atleta é preso novamente em Curitiba

Suss Marques é acusado novamente na polícia, desta vez por agressão a uma mulher, sua ex-namorada

O prefeito também  explicou as medidas que utiliza para trabalhar alinhado com a transparência e zelo com o dinheiro públicoO prefeito também explicou as medidas que utiliza para trabalhar alinhado com a transparência e zelo com o dinheiro público - Foto: Divulgação

O médico Raphel Suss Marques foi preso no domingo (25), em Curitiba. Não é a primeira vez que ele é detido, pois, em setembro de 2015, ele foi acusado de matar a namorada, a fisiculturista Renata Muggiati.

De acordo com o boletim policial, Suss Marques é acusado de agressão a uma mulher, sua ex-namorada, na última sexta-feira (23). Ain­da segundo o documento, os dois tiveram um relacionamento curto, que terminou há cinco meses.

A mulher estava com um hematoma e o atribui a um tapa no peito. Ela afirmou que foi ameaçada e xingada pelo médico.

Raphel Suss Marques foi levado para o Complexo Mé­dico-Penal, em Pinhais, onde está preso preventivamente. Não há data prevista para sua liberação.

Caso anterior

A fisiculturista Renata Muggiati caiu do 31º andar de um prédio. Na época, o suspeito foi Raphael Suss Marques, que declarou que a atleta se jogou por estar com depressão. O primeiro exa­me do Instituto Médico Legal indicou asfixiamento antes da queda. Porém, uma segunda análise desmentiu o indício, e o médico foi solto.

Diante de duas análises contraditórias, foi aberta uma investigação e a exumação do corpo. O resultado confirmou que Renata já estaria morta quando caiu. O julgamento de Raphel Suss Marques por esse caso segue sem definição de data. Mas testemunhas arroladas no processo foram ouvidas em agosto deste ano.

Veja também

Alunos pobres e pretos são mais afetados emocionalmente na pandemia, diz Datafolha

Alunos pobres e pretos são mais afetados emocionalmente na pandemia, diz Datafolha

Venda de antidepressivos cresce na pandemia e liga alerta para sofrimento mental
Pandemia

Venda de antidepressivos cresce na pandemia e liga alerta para sofrimento mental