Ala do DEM defende que ministra da Agricultura deixe o governo após demissão de Moro

A avaliação de integrantes da cúpula do partido é que a ministra é uma das estrelas do governo e deve deixar a Esplanada antes para que não seja atrelada a notícias negativas em torno de Bolsonaro

Ministra da Agricultura Tereza Cristina Ministra da Agricultura Tereza Cristina  - Foto: Rqavena Rosa/ Agência Brasil

Depois da demissão do ministro Sergio Moro (Justiça) nesta sexta-feira (24), cresceu dentro do DEM uma ala que defende a saída da ministra Tereza Cristina (Agricultura) do governo de Jair Bolsonaro.

A avaliação de integrantes da cúpula do partido é que a ministra é uma das estrelas do governo e deve deixar a Esplanada antes para que não seja atrelada a notícias negativas em torno de Bolsonaro, como as acusações que Moro fez nesta sexta, de que o presidente teria o objetivo de interferir no trabalho da Polícia Federal.

Tereza Cristina também tem sido alvo de ataques por parte de bolsonaristas por ser do partido de Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, definido por Bolsonaro como um adversário.

Ela própria já disse a seus correligionários estar incomodada com a ofensiva virtual de apoiadores de Bolsonaro. A ministra também tem atuado para manter pontes com a China, principal consumidora do agronegócio brasileiro, após seguidas críticas do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao país.

Leia também:
Mercado vê cenário de total instabilidade e risco a Guedes após queda de Moro
Nem direita radical fica com Bolsonaro na demissão de Moro
Secretário do Consumidor coloca cargo à disposição após saída de Moro

Diante dos ataques e da escalada na crise do governo com sucessivas demissões, integrantes do DEM avaliam que não são pequenas as chances de ela pedir para deixar o Ministério.

Dirigentes do DEM repisam que Tereza assumiu a pasta da Agricultura sem ser uma indicação do partido e que, por isso, a sigla não deverá condicionar a sua permanência na legenda à saída do Ministério.

Mas avaliam que o ideal para preservar a sua imagem e também para afastar a figura do DEM do governo seria que ela pedisse demissão. Esta posição é defendida principalmente por aliados de Maia.

A avaliação de que talvez um desembarque esteja próximo não é exclusividade do partido e foi feita pela própria ministras a aliados. Ela considera que, nas últimas semanas, teve seus esforços para impulsionar as exportações do Brasil sabotados pela ala ideológica do governo, que desencadeou uma série de ataques contra a China. O momento mais crítico desse desgaste ocorreu quando Eduardo Bolsonaro responsabilizou o país asiático pela pandemia de Covid-19, causando uma crise diplomática com a Embaixada da China no Brasil.

Depois do episódio, Tereza se queixou diretamente a Bolsonaro sobre os disparos dos olavistas contra a China e disse que eles estavam prejudicando sua atuação.Os aliados da ministra argumentam ainda que ela tem mandato na Câmara, é uma liderança reconhecida no setor e que, portanto, não deve aturar por muito tempo um processo de fritura nos moldes do que ocorreu com o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

Nesta quinta (23), o presidente do DEM, ACM Neto, esteve reunido com Bolsonaro. Segundo relatos, o dirigente do partido avaliou que a conversa foi "mais do mesmo", com gestos do presidente de que quer manter um bom diálogo com a sigla.

Na ocasião, porém, Bolsonaro voltou a criticar o presidente da Câmara. Maia mandou sinais de que quer ter um diálogo institucional com o Palácio do Planalto e que não tem a intenção de ficar "batendo boca".

Por ora, segundo dirigentes do DEM, o partido não partirá para o confronto com Bolsonaro, mas também não deverá integrar a base dele, como outras siglas do chamado centrão, como PP, PL, Republicanos e PSD, deverão fazer. Em troca, indicados dessas siglas serão acomodados em órgãos do governo.

Veja também

EUA saúda compromisso do Brasil sobre desmatamento, mas pede 'ações imediatas'
Meio Ambiente

EUA saúda compromisso do Brasil sobre desmatamento, mas pede 'ações imediatas'

Em uma semana, mortes por Covid-19 aumentam em 8% e 6% de novos casos
Coronavirus

Em uma semana, mortes por Covid-19 aumentam em 8% e 6% de novos casos