A-A+

Análise mostra contaminação em mais 14 lotes de cerveja Backer

Relatório faz parte de processo de regularização da cervejaria

Cerveja Belorizontina, da BackerCerveja Belorizontina, da Backer - Foto: Reprodução/Instagram

Perícia feita pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária (LFDA/MG) detectou traços de pelo menos um dos elementos contaminantes etilenoglicol e dietilenoglicol - substâncias altamente tóxicas e impróprias para consumo humano - em mais 14 lotes de cervejas feitas pela Backer. Os lotes contaminados foram produzidos entre julho de 2019 e janeiro de 2020.

No total, 55 lotes de rótulos diversos da cervejaria já foram considerados contaminados. Além dos rótulos mais conhecidos - a cerveja Belorizontina e a Capixaba -, as marcas Backer Pilsen, Backer Trigo, Brown, Backer D2, Capitão Senra, Corleone, Fargo 46, Layback D2, Pele Vermelha e Três Lobos Pilsen também tiveram resultado positivo para substâncias que não deveriam fazer parte da fórmula da cerveja.

Leia também:
Morre mais uma pessoa por suposta intoxicação com cerveja
Cervejaria em MG vai do céu ao inferno em menos de um ano
Ministério identifica substância tóxica em oito produtos da cervejaria Backer 

A fiscalização foi feita de acordo com os protocolos higiênico-sanitários estabelecidos pelo ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e faz parte do processo de regularização da cervejaria Backer. De acordo com o ministério, a contaminação deve ser tratada como caso isolado, e não apresenta qualquer risco à produção de cervejas em escala nacional ou de outras cervejarias.

Veja também

Surdos defendem Libras como segundo idioma oficial do Brasil
LIBRAS

Surdos defendem Libras como segundo idioma oficial do Brasil

Governo Bolsonaro vê quebra de contrato e questiona Butantan sobre venda de Coronavac a estados
contrato

Governo Bolsonaro vê quebra de contrato e questiona Butantan sobre venda de Coronavac a estados